acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Estudo

CNI: PIB industrial fechará o ano com queda de 0,5%

24/07/2014 | 15h38

 

A economia brasileira crescerá apenas 1% neste ano. A modesta expansão será resultado do crescimento de 1,5% do setor de serviços, da alta de 2,3% da agropecuária e da queda de 0,5% da indústria. As projeções estão no Informe Conjuntural do segundo trimestre que a Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulga nesta quinta-feira (24).
No estudo, a CNI revisa para baixo as estimativas para o desempenho da economia divulgadas em março deste ano. "As causas da forte desaceleração são várias e decorrem mais do ambiente doméstico do que da economia mundial", diz o estudo.
Entre elas, está a inflação, que, na avaliação da CNI, deve fechar o ano em 6,6%, acima do limite máximo da meta de 6,5% fixada pelo Banco Central. "A inflação permanentemente elevada provoca o aumento dos juros e, consequentemente, a retração do crédito oriundo de bancos privados. A menor liquidez conduz ao progressivo enfraquecimento tanto do consumo das famílias como do investimento das empresas", relata o Informe Conjuntural.
Com isso, a estimativa é que consumo das famílias aumente apenas 1,5% e os investimentos tenham uma queda de 2%. "A reversão do quadro negativo do investimento depende de uma recuperação da confiança do empresário", afirma o estudo.
Produção Industrial
O Informe Conjuntural destaca que a retração de 0,5% projetada para o PIB industrial será puxada pela queda de 1% na indústria de transformação e de 1,7% na indústria da construção. A indústria extrativa deve crescer 1,5% em relação a 2013. "Os indicadores recentes mostram que a indústria brasileira segue com dificuldade em intensificar o seu ritmo de operação", informa o documento.
Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que a produção industrial acumula uma redução de 1,6% de janeiro a maio deste ano. Na indústria de transformação, a queda acumulada na produção é de 2,4%. No grupo de bens de capital, a retração atinge 5,8%. Além da falta de competitividade, explica a CNI, o desaquecimento da indústria é resultado do enfraquecimento da demanda interna, da retração das exportações para a Argentina, do encarecimento do capital de giro, do crescimento do custo da energia elétrica (provocado principalmente pelo déficit hídrico) e da falta de confiança do empresário.
Saldo comercial
A balança comercial fechará o ano com um superávit de US$ 1,5 bilhão, com exportações de US$ 237 bilhões e importações de US$ 235,5 bilhões. As vendas externas terão uma queda de 2% e as importações cairão 1,7% em relação a 2013. "As vendas de manufaturados deverão permanecer fracas".

A economia brasileira crescerá apenas 1% neste ano. A modesta expansão será resultado do crescimento de 1,5% do setor de serviços, da alta de 2,3% da agropecuária e da queda de 0,5% da indústria. As projeções estão no Informe Conjuntural do segundo trimestre que a Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulga nesta quinta-feira (24).

No estudo, a CNI revisa para baixo as estimativas para o desempenho da economia divulgadas em março deste ano. "As causas da forte desaceleração são várias e decorrem mais do ambiente doméstico do que da economia mundial", diz o estudo.

Entre elas, está a inflação, que, na avaliação da CNI, deve fechar o ano em 6,6%, acima do limite máximo da meta de 6,5% fixada pelo Banco Central. "A inflação permanentemente elevada provoca o aumento dos juros e, consequentemente, a retração do crédito oriundo de bancos privados. A menor liquidez conduz ao progressivo enfraquecimento tanto do consumo das famílias como do investimento das empresas", relata o Informe Conjuntural.

Com isso, a estimativa é que consumo das famílias aumente apenas 1,5% e os investimentos tenham uma queda de 2%. "A reversão do quadro negativo do investimento depende de uma recuperação da confiança do empresário", afirma o estudo.


Produção Industrial

O Informe Conjuntural destaca que a retração de 0,5% projetada para o PIB industrial será puxada pela queda de 1% na indústria de transformação e de 1,7% na indústria da construção. A indústria extrativa deve crescer 1,5% em relação a 2013. "Os indicadores recentes mostram que a indústria brasileira segue com dificuldade em intensificar o seu ritmo de operação", informa o documento.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que a produção industrial acumula uma redução de 1,6% de janeiro a maio deste ano. Na indústria de transformação, a queda acumulada na produção é de 2,4%. No grupo de bens de capital, a retração atinge 5,8%. Além da falta de competitividade, explica a CNI, o desaquecimento da indústria é resultado do enfraquecimento da demanda interna, da retração das exportações para a Argentina, do encarecimento do capital de giro, do crescimento do custo da energia elétrica (provocado principalmente pelo déficit hídrico) e da falta de confiança do empresário.


Saldo comercial

A balança comercial fechará o ano com um superávit de US$ 1,5 bilhão, com exportações de US$ 237 bilhões e importações de US$ 235,5 bilhões. As vendas externas terão uma queda de 2% e as importações cairão 1,7% em relação a 2013. "As vendas de manufaturados deverão permanecer fracas".

 



Fonte: Ascom CNI
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar