acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Economia

CNI: faturamento e hora trabalhada da indústria crescem em julho

06/09/2011 | 15h24
A atividade da indústria voltou a crescer em julho. O faturamento aumentou 0,6% e as horas trabalhadas na produção tiveram alta de 1,2% na comparação com junho, de acordo com dados sem influências sazonais. As informações são da pesquisa Indicadores Industriais, divulgada nesta terça-feira (6), pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O levantamento mostra que, enquanto o faturamento cresceu pelo segundo mês consecutivo, as horas trabalhadas registraram aumento após dois meses seguidos de queda.

Mesmo com a expansão em julho, sobre o mês anterior, desses dois indicadores, que estão mais diretamente ligados à atividade industrial, a utilização da capacidade instalada (UCI) recuou 0,3 ponto percentual no período, segundo dados dessazonalizados. Enquanto a indústria operou no mês de junho, em média, com 82,4% de UCI, a capacidade instalada foi de 82,1% em julho.

O gerente-executivo da Unidade de Política Econômica da CNI, Flávio Castelo Branco, disse que o recuo da UCI confirma o arrefecimento da atividade industrial nos últimos meses. “A tendência é de que essa desaceleração continue. Teremos um Natal menos favorável à indústria brasileira, com maior consumo de produtos importados”, previu.

Já o mercado de trabalho ficou estável na indústria. O indicador do emprego sem influências sazonais avançou apenas 0,1% em julho ante o mês anterior. A massa salarial e o rendimento médio real do trabalhador da indústria tiveram aumento no período de 3,5% e 3,3%, respectivamente, de acordo com indicadores sem ajuste sazonal.


Faturamento

Entre os 19 setores analisados, na comparação com o mesmo mês do ano passado, há piora no faturamento em julho para oito deles, entre os quais máquinas, aparelhos e materiais elétricos e papel e celulose.

Nas horas trabalhadas, houve queda, comparativamente a julho de 2010, em 13 segmentos, com declínio mais forte em madeira, máquinas, aparelhos e materiais elétricos, couro e calçados.

Já o emprego cresceu para a maioria dos setores nessa comparação. Apenas cinco segmentos industriais registraram queda, incluindo madeira e edição e impressão.

O setor de máquinas e equipamentos acelerou o faturamento de 2,7%  entre junho último e junho de 2010 para 4% entre julho de 2010 e julho passado, mas na mesma comparação o indicador de horas trabalhadas desacelerou de 0,7% para 0,4%. “O maior crescimento do faturamento face à perda de dinamismo das horas trabalhadas e maior ociosidade do parque industrial sinaliza um aumento de produtos importados na cadeia de produção de bens de capital”, diz a pesquisa.


Fonte: Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar