acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
publicidade
ONS

Chuvas dão folga para térmicas a óleo

20/10/2008 | 03h55

As térmicas movidas a óleo combustível e a carvão devem ficar desligadas pelo menos até o segundo trimestre de 2009, com possibilidade de não serem acionadas durante todo o ano que vem. Graças às chuvas, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) não tem acionado as usinas, cujo custo de geração elétrica é mais caro que a energia hidráulica e a eletricidade proveniente das térmicas a gás. E a previsão é continuar assim, com produção de energia mais barata, de acordo com o presidente do ONS, Hermes Chipp.

 

Segundo o professor Nivalde de Castro, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), as térmicas a gás, que têm custos mais baixos que as de óleo, continuam ligadas, o que justifica o bom nível de reservatórios. “Trata-se de uma estratégia de segurança do governo”, diz.

 

“As chuvas estão contribuindo e nós não precisamos usar as térmicas a óleo. Especialistas (em clima) avaliam que vai continuar assim”, disse Chipp, durante o evento de lançamento do livro “Séries Econômico-Financeiras das Empresas do Setor Elétrico”, organizado pelo Grupo de Estudos do Setor Elétrico (Gesel) da UFRJ. Mesmo na estação de seca, o ONS não precisou despachar energia movida a óleo combustível. Como o período seco acaba agora em outubro, a necessidade de acionar térmicas a óleo são ainda menores.

 

O nível dos reservatórios na região Sudeste alcançou 53% da capacidade. No Nordeste o percentual chegou a 35%. Os níveis estão dentro dos limites estabeleci-dos pelo ONS. “Tivemos um período de seca bastante favorável, dentro da média pluviométrica e em algumas bacias choveu até acima da média, o que nos permite uma larga margem de segurança no sistema”.

 

Bacias importantes como a de Iguaçu, Parnaíba e Paranapanema contribuíram para encher os reservatórios de importantes hidrelétricas que abastecem o país.



Fonte: Gazeta Mercantil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar