acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Entrevista

César Prata da Abimaq fala sobre os desafios do setor de óleo e gás

10/12/2014 | 09h29
César Prata da Abimaq fala sobre os desafios do setor de óleo e gás
Divulgação Divulgação

Depois de atuar como presidente da Câmara Setorial de Equipamentos Navais e de Offshore, César Prata assumiu, no dia 21 de agosto, a presidência do Conselho de Óleo e Gás da Abimaq, substituindo o presidente anterior, Cláudio Makarovsky.

Confira a entrevista com o novo presidente sobre seus objetivos no cargo e os principais desafios do setor de óleo e gás.

 

Como o senhor analisa o atual momento vivido pelo setor de máquinas e equipamentos no segmento de óleo e gás?

Houve um descolamento entre os grandes aportes recebidos pelo setor e o crescimento da indústria. Há mais de cinco anos, o setor recebe anualmente investimentos da ordem de 100 bilhões de reais. Menos de 10% deste montante fica com a indústria local.  Temos criado mais empregos fora do que dentro do país. Na descoberta do pré-sal, havia um consenso entre todos que usaríamos esta riqueza para desenvolver o Brasil, a infraestrutura, a educação e a indústria. Isto não ocorreu. Perdemos uma oportunidade.

Quais são os principais desafios para este setor?

O país continuará a receber investimentos da ordem de 100 bilhões de reais neste setor nos próximos 20 ou 30 anos. Nosso desafio é tentar reter parte desta riqueza, crescer em pesquisa, tecnologia e criar empregos com qualificação. O Brasil não pode regressar ao patamar de mero extrativista e exportador de commodities.

Temos que transformar as riquezas naturais em produtos e agregar valor. O petróleo em si pode ser nocivo se não o processarmos e não utilizarmos nossa engenharia, universidades e indústrias, como ocorreu em países no Oriente Médio e na América do Sul.

 

Como a Abimaq pretende atuar para enfrentar os obstáculos no aumento da participação em investimentos e operações no setor de óleo e gás?

Há dois caminhos distintos que devem ser trilhados: O primeiro é o de tentar mostrar ao governo que o ambiente econômico para os negócios não está nada bem. Nem no setor de petróleo e nenhum outro. Não temos condições favoráveis, seja em câmbio, tributos e regimes tributários especiais.

O segundo caminho, enquanto o primeiro não se implementa, não nos garante a competitividade natural,  participação nas encomendas e a nossa subsistência, será o de buscar artifícios momentâneos, tais como barreiras, margens de preferência, defesa comercial, regras de conteúdo local, que, na verdade, são todos "remédios amargos" e não podem durar muito tempo.

Tais remédios já têm sido em parte utilizados, com pequena eficácia, baixos resultados  e colocam o setor industrial em descabida posição de confronto com os investidores e compradores dos projetos em andamento.

Criou-se uma queda de braço com os consumidores tentando provar que a indústria local não os atende a contento, quando, na verdade, é apenas dos preços locais que eles não gostam.


Quais são as perspectivas para o futuro?


O governo deverá perceber que o setor de óleo e gás, sozinho, pode reverter o processo de desindustrialização no país inteiro. Se uma pequena parte das máquinas passar a ser comprada no Brasil, invertemos a curva de tendência negativa a positiva. Dos 100 bilhões de reais que o setor investe por ano, se aumentarmos a parte brasileira em 15%,  seriam  mais 15 bilhões de reais em um setor que fatura 75 bilhões por ano.

Haveria um impacto positivo de 20% no setor como um todo. Os investimentos em petróleo e gás ainda são os mais altos quando comparados com todos os demais setores da nossa economia, superando o segundo colocado em cinco vezes. Temos que aprender a usar esta riqueza a favor da sociedade.  O que estamos pleiteando não é mais apenas em causa própria.



Fonte: Redação / Assessoria
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar