acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Gás natural

Cepal considera Gasoduto do Sul fator de integração regional

03/03/2006 | 00h00

A construção do Gasoduto do Sul, cujo projeto é discutido entre os governos da Venezuela, do Brasil e da Argentina, representará um arco energético fundamental para a infra-estrutura da América do Sul e seu custo elevado é contornável devido ao alto volume de investimentos no setor de óleo e gás nos próximos anos. A avaliação é de Manlio Coviello, oficial de relações econômicas de Rescursos Naturais e de Infra-Estrutura da Comissão Econômica Para a América Latina e o Caribe (Cepal), que participou nesta sexta-feira (3/3), no Rio de Janeiro, de encontro promovido pelo Comitê Brasileiro do Conselho Mundial de Energia.

Segundo Coviello, a obra representa um fator de integração regional devido ao trajeto que abrange o território dos três países envolvidos. De acordo com estimativas iniciais, o custo total da execução do projeto é de aproximadamente US$ 20 bilhões. O economista da Cepal minimiza eventuais dificuldades em relação à fonte de financiamento e considera o resultado das eleições brasileiras como elemento decisivo para o futuro do gasoduto.

“Sem dúvida, há um risco proporcionado pela instabilidade política na região que dificulta o financiamento de projetos desse tipo. Mas, se considerarmos, por exemplo, que a Petrobras programou investimentos da ordem de US$ 50 bilhões nos próximos anos, verificamos que o custo desse gasoduto é compatível com o porte dos desembolsos no setor. Após as eleições de outubro é que será possível saber se o Brasil terá disposição ou não para assumir os riscos desse investimento”. disse Coviello.

Representantes da Venezuela, do Brasil e da Argentina realizaram nesta semana, em Caracas, uma reunião para analisar os planos para construção do Gasoduto do Sul. O encontro foi preparatório para a reunião de cúpula prevista para 11 de março, na Argentina, e contou com a participação de autoridades setoriais dos três países. O projeto prevê a construção de uma linha de 8.000 km que sairá do Caribe para as cidades venezuelanas de Puerto Ordaz e Santa Elena de Uairén, que faz fronteira com o Brasil, e Manaus, capital do Amazonas. Neste ponto, o gasoduto se divide em dois e segue para o nordeste brasileiro e para a região que abrange Brasília e Rio de Janeiro, de onde faz a ligação com o Uruguai e a Argentina.



Fonte:
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar