acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Energia

Cemig já tem 65% do faturamento bruto da Eletrobrás

01/02/2010 | 09h41

Se a discrição é o melhor substantivo para traduzir o jeito mineiro, a Cemig não tem sido muito mineira desde que comprou a Terna dos italianos no ano passado. Notícias de quem ela está interessada em comprar não faltam. E confirmações de seus interesses por parte do governo do Estado de Minas Gerais, tampouco. Mesmo assim, deixar de ser mineira não é a intenção da Cemig. O que ela quer é não ser só mineira. Para isso tem trilhado fortemente um caminho que já a colocou na rabeira da maior empresa elétrica do país, a Eletrobrás. Com as aquisições que fez no ano passado - sua atuação hoje está distribuída em 17 estados -, faltam apenas nove para ter a abrangência da estatal federal. Além disso, seu faturamento bruto já chega a ser de 65% do que é obtido pela Eletrobrás.

 

As ambições da Cemig estão hoje além do setor elétrico, ela quer se consolidar como a segunda maior empresa de energia do país, com investimentos em gás e petróleo. A meta é ser a segunda maior empresa de energia do Brasil nos próximos dez anos, atrás apenas da Petrobras. O horizonte de expansão aparentemente ilimitado é confirmado pelo presidente da estatal mineira, Djalma Morais, que desde 1999 comanda a empresa. "Nossa meta é ser o segundo 'player' do setor de energia no país até 2020. Não sei em que posição estará a Eletrobrás. Pode estar junto conosco ou não", disse Morais.

 

Mas chegar à altura da Eletrobrás em tamanho e poder de influência é um caminho longo a ser percorrido. E pode ainda ser dificultado pela falta de ativos à venda no país, principalmente de distribuição de energia. Das três atividades do setor elétrico - geração, distribuição e transmissão - a vantagem da Cemig está apenas na distribuição, onde hoje detém 12% do mercado brasileiro e atende 10,5 milhões de clientes sob o comando da Cemig e da Light, no Rio de Janeiro, cujo controle foi recém-adquirido.

 

A Eletrobrás detém apenas 3,5% do do segmento de distribuição, por meio de suas federalizadas no norte do país. Mas o poder da estatal federal está distribuído em diversos estados e ainda tem influência em outras empresas de distribuição importantes como as do Pará, Maranhão, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, onde tem participação minoritária relevante, com direito a cadeira no conselho de administração dessas companhias.

 

Nas atividades de geração e transmissão, as duas companhias são incomparáveis. A começar pelo fato de que a parte brasileira da usina de Itaipu está sob o guarda-chuva da Eletrobrás. Sozinha, a empresa federal detém 38% do mercado de geração. O de transmissão é ainda mais incomparável, pois as subsidiárias da Eletrobrás são donas de 56% do mercado e de quase 60 mil quilômetros de linhas de transmissão. Mesmo com a aquisição da Terna, que agora é chamada de Transmissora Aliança de Energia Elétrica (Taesa), a Cemig tem hoje 10% do mercado de transmissão.

 

Segundo o presidente da empresa, o objetivo da estatal mineira é chegar a uma composição de receita em que 40% do faturamento venha da geração, 20% da transmissão e 40% da distribuição e outras receitas. A divisão atual mostra 60% da receita vinda da geração, 35% da distribuição e 5% da transmissão, ainda sem levar em conta a aquisição da Terna e do controle da Light. O total da receita bruta da companhia em 2008, último balanço publicado com os números anuais, chegaria a R$ 21,3 bilhões. No mesmo ano, a Eletrobrás teve uma receita bruta de R$ 32,2 bilhões. Pelo ranking do "Valor Grandes Grupos" de 2009, que lista os 200 maiores grupos do país por faturamento, a Cemig saltaria do 30º lugar para o 23º , muito próxima do 16º ocupado pela Eletrobrás.

 

Apesar da geração não ser o foco de crescimento da companhia, os novos projetos no setor interessam, até porque agora ela tem um novo sócio: a construtora Andrade Gutierrez, que comprou 15% do capital total da companhia. A construtora já anunciou que vai formar um consórcio para competir no leilão de Belo Monte. A Cemig também já decidiu participar de um dos consórcios que competirá para a construção da usina que vai ter o segundo maior investimento em infraestrutura do País, avaliado em pelo menos R$ 16 bilhões. E já definiu até qual será a sua fatia: a Cemig entraria com 10% do consórcio. "É necessário participar de Belo Monte para manter a nossa posição no mercado brasileiro de geração de energia, mas a Cemig pretende crescer mais nos outros setores", disse Morais.

 

Competir com a Eletrobrás em geração é uma tarefa quase impossível, ainda mais se o governo confirmar a renovação das concessões em 2015, já que boa parte do que vai vencer pertence à Eletrobrás. Além de ter 38% do mercado, a empresa terá quase metade de Belo Monte, não importa o consórcio, e também acredita-se dos próximos grandes empreendimentos hidrelétricos que serão leiloados no país, a exemplo do que já aconteceu com as usinas do Madeira. Isso porque a Eletrobrás é usada pelo governo federal para o desenvolvimento do país e para solucionar os problemas do setor elétrico. É ela quem faz os estudos de inventário de rios e quem faz empréstimos para os programas do governo como o Luz Para Todos ou o Proinfa. É também na Eletrobrás que empresas problemáticas são alocadas, como foi o caso das distribuidoras do Norte do país, que quebradas foram absorvidas pela estatal federal.

 

Nesse aspecto, a Cemig é tida e tratada pelos executivos do setor e seus concorrentes como uma empresa privada. A opinião é essa, mesmo com toda a conotação política que se formou em torno da expansão da Cemig, já que o governador do Estado, Aécio Neves, tem pretensões de ser um dia presidente do país. Ela briga como uma empresa privada. Além disso, de todos os grupos privados que se apresentaram para fazer a consolidação do setor no país, ela foi a única que de fato fez grandes aquisições.

 

De acordo com um executivo de banco especialista no setor, a Cemig foi a empresa do setor elétrico que mais fez aquisições nos últimos 12 meses. Segundo sua avaliação, a empresa está tão agressiva que se dispôs a comprar a Terna pelo dobro de seu preço de mercado naquele momento da aquisição, no início de 2009.

 

Na expansão pretendida pela Cemig também não está prevista a entrada nos setores de telefonia, televisão à cabo e Internet, embora a Assembleia Legislativa mineira tenha aprovado a mudança do objeto social da empresa em outubro. Pela lei aprovada, a Cemig poderia entrar no terreno das comunicações. "Nosso objetivo na verdade é explorar a ociosidade das nossas fibras ópticas, o que vamos conseguir com o 'leasing' das linhas. É uma operação para proporcionar um lucro anual de R$ 40 milhões. Mas o nosso negócio é energia", afirmou Morais.

 

A expansão da empresa não é acompanhada no mesmo ritmo por investimentos na manutenção dos serviços. Segundo o relatório da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) referente a 2008, ainda que a Cemig tenha tido proporcionalmente poucas interrupções, elas foram longas. No cálculo de duração das interrupções, o consumidor da Cemig em média ficou 13,66 horas naquele ano sem energia, acima do registrado pelas distribuidoras de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Paraná, Mato Grosso do Sul e Ceará. Mas ficou acima da média nacional, que foi de 16,61 horas.

 



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar