acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Biodiesel

Ceará começa a cultivar mamona para produção

26/08/2004 | 00h00

Começou oficialmente nesta manhã de quarta-feira (25) em Quixeramobim, a 224 quilômetros de Fortaleza (CE), o cultivo de mamona destinado à produção industrial brasileira de biodiesel. O projeto desenvolvido no semi-árido cearense funciona em caráter experimental há cerca de dois meses, em uma área de 70 hectares, e gera 60 empregos diretos. Atualmente são extraídos 350 litros de biodiesel por dia, mas quando estiver totalmente implantado, serão 800 litros diários a partir de usinas nos municípios de Quixadá, Pedra Branca e Santa Quitéria (CE).
Articulado pela Delegacia Federal de Agricultura no Ceará, o projeto envolve o governo estadual, a prefeitura do município e um consórcio privado de empresas termoelétricas. Até agora, o grupo investiu R$ 1,5 milhão no cultivo do produto destinado à transformação em biodiesel. "O plantio de mamona para extração de biodiesel faz parte da proposta do governo de incentivar a produção de biocombustíveis", diz o chefe de gabinete da SDA - Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Cezar Martins da Rocha. Ex-delegado federal de Agricultura no Ceará, ele foi um dos idealizadores do projeto, que deve se expandir para outros municípios do semi-árido nordestino.
Rocha destaca que o biodiesel extraído de mamona ajudar a despoluir o ambiente. "Essa é uma fonte de energia limpa que também seqüestra o gás carbônico da atmosfera", afirma o chefe de gabinete da SDA. "Além de abastecer o consumo da frota brasileira de veículos, o produto tem grandes perspectivas no mercado externo." Ele representará o ministério na solenidade de início do cultivo da planta destinado à extração de biodiesel. Para desenvolver o projeto, o governo cearense, a prefeitura de Quixeramobim e o consórcio de empresas termoelétricas contam com o apoio da Embrapa - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária e da Universidade Federal do Ceará. A Embrapa é responsável pelo zoneamento das áreas de plantio da mamona e pela elaboração das regras de produção de sementes selecionadas.



Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar