acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Empresas

Caterpillar vê alta de 20% nas vendas

26/10/2011 | 12h20
A Caterpillar, maior fabricante mundial de máquinas de terraplenagem, em receitas, rejeitou as dúvidas sobre a economia mundial, dizendo esperar que suas vendas aumentem em até 20%, no próximo ano, à medida que surgir uma recuperação dos Estados Unidos e do Japão.

A empresa - componente do índice Dow Jones e termômetro da atividade industrial - fez a projeção na segunda-feira (24), ao reportar um lucro trimestral recorde e um lucro nos três meses até o fim de setembro, e disse que seus resultados para o ano inteiro ficarão no topo de sua última faixa de perspectivas ao mercado.

"Somos alvo de questionamentos quase diários - tanto de nossos próprios funcionários como de pessoas externas à companhia -, dizendo: 'a situação parece uma repetição de 2008", disse Doug Oberhelman, presidente-executivo da Caterpillar.

"Embora pareça, sim, 2008, em alguns casos - em um nível macro específico à situação do setor bancário europeu - tem pouca semelhança, internamente, desta vez, com meados de 2008".

Essa visão é compartilhada por Sandy Cutler, executivo-chefe da Eaton, fabricante de equipamentos e componentes industriais que, na segunda-feira, também reportou lucros trimestrais. "Não enxergamos uma alteração substancial nos níveis de nossa demanda, neste momento", disse ele, dizendo que espera "crescimento, ainda, mas um crescimento mais lento".

A Caterpillar disse que a recuperação nas economias americana e japonesa ganharão ritmo no ano que vem, com os EUA crescendo a 2,5% e o Japão a 4%. Ele disse que acreditar que as economias da região da Ásia e do Pacífico cresçam 7%, que a África, o Oriente Médio e a Europa Oriental cresçam 5,5% e que a América Latina cresça 4%.

Apesar de seu otimismo, a companhia disse estar preocupada com os riscos políticos no mundo desenvolvido. "As políticas econômicas dos países desenvolvidos não estão à altura da tarefa de garantir um crescimento econômico sustentado mais forte", observou o executivo.

"Os governos têm muitas vezes se envolvido em brigas sobre orçamentos públicos que minam a confiança e os bancos centrais têm, muitas vezes, superestimado o estímulo proporcionado por suas políticas".


Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar