acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Cessão Onerosa

Casco da P-74 realiza primeira manobra para conversão

21/08/2012 | 09h47
Casco da P-74 realiza primeira manobra para conversão
Docagem da Plataforma P-74. Agência Petrobras Docagem da Plataforma P-74. Agência Petrobras

 

A Petrobras realizou na segunda feira (20) a primeira docagem do navio Petrobras 74 no Estaleiro Inhaúma, no Rio de Janeiro (RJ). A conclusão dessa manobra possibilita o início das obras de conversão do casco em uma Unidade de produção, a P-74 - anunciada há dois anos e com prazo de entrada no estaleiro em 24 de agosto de 2012.
Esta será a primeira conversão de casco dessa natureza a ser feita no Brasil. A P-74 será também o primeiro FPSO (navio-plataforma) com destino aos campos da Cessão Onerosa, no pré-sal na Bacia de Santos. A inspeção das chapas do casco e a desmontagem de equipamentos originais do navio serão as primeiras atividades da conversão.
A conversão também prevê o reforço estrutural do casco; a construção de novos módulos de acomodação, que terão capacidade para 110 pessoas; a substituição integral dos equipamentos originais, além da fabricação e instalação de 13 mil toneladas de estruturas novas necessárias para suportação dos módulos, das linhas de produção e do novo sistema de ancoragem entre outros. As obras de conversão da P-74 têm previsão de término em junho de 2014.
A Operação
O navio P-74, hoje um petroleiro do tipo VLCC (Very Large Crude Carrier), saiu na segunda-feira (20) às 9h do Porto do Rio de Janeiro, onde estava atracado desde sua chegada ao Brasil, em novembro passado. Durante as manobras e o transporte até o Estaleiro Inhaúma foram utilizados seis rebocadores, sendo quatro no reboque propriamente dito e dois de reserva. Após a passagem pelo vão central da Ponte Rio-Niterói o navio foi conduzido até o estaleiro. Para a entrada do navio no dique foram utilizados guinchos existentes no estaleiro. Toda a operação, desde a saída do porto até a entrada no dique, durou cerca de 6 horas.
O estaleiro ainda receberá as obras de conversão da P-75, P-76 e P-77, também destinadas aos campos da Cessão Onerosa. A Petrobras assinou o contrato de conversão para todas as plataformas em maio de 2012 com o Estaleiro Enseada Paraguaçu, consórcio formado pelas empresas Norberto Odebrecht S/A, OAS Ltda e UTC Engenharia S/A, e que possuem como parceiro tecnológico a empresa japonesa Kawasaki Heavy Industries. O valor global é de US$ 1,7 bilhão e as obras terão conteúdo nacional de 70%, com geração de cerca de 5 mil empregos diretos no pico das atividades.
Após a conclusão dessa etapa de conversão, cada casco será transportado até outro canteiro. A partir daí, será iniciada a etapa de integração, ou seja, a instalação de módulos da planta de processo sobre os cascos convertidos. Os contratos de construção e integração dos módulos serão assinados até abril de 2013.
Estaleiro Inhaúma
A primeira docagem do navio Petrobras 74 representa o início de uma nova era para o Estaleiro Inhaúma. Na década de 80, ele foi o segundo maior estaleiro do mundo na construção de navios. Porém, devido à decadência da indústria naval brasileira no final dos anos 80 e nos anos 90, acabou sendo abandonado e deteriorou-se durante mais de uma década sem atividades.
Para atender as crescentes demandas da Petrobras, a companhia arrendou o Estaleiro em junho de 2010 e assumiu a sua gestão por um período de 20 anos. Assim, a estatal iniciou a reforma do estaleiro e já reconstruiu importantes instalações como, por exemplo, o dique seco, que após um conjunto de obras de recuperação, encontra-se novamente em condições de uso.
A conversão do navio Petrobras 74 será a primeira grande obra realizada no Inhaúma após a sua retomada.

A Petrobras realizou na segunda feira (20) a primeira docagem do navio Petrobras 74 no Estaleiro Inhaúma, no Rio de Janeiro (RJ). A conclusão dessa manobra possibilita o início das obras de conversão do casco em uma Unidade de produção, a P-74 - anunciada há dois anos e com prazo de entrada no estaleiro em 24 de agosto de 2012.


Esta será a primeira conversão de casco dessa natureza a ser feita no Brasil. A P-74 será também o primeiro FPSO (navio-plataforma) com destino aos campos da Cessão Onerosa, no pré-sal na Bacia de Santos. A inspeção das chapas do casco e a desmontagem de equipamentos originais do navio serão as primeiras atividades da conversão.


A conversão também prevê o reforço estrutural do casco; a construção de novos módulos de acomodação, que terão capacidade para 110 pessoas; a substituição integral dos equipamentos originais, além da fabricação e instalação de 13 mil toneladas de estruturas novas necessárias para suportação dos módulos, das linhas de produção e do novo sistema de ancoragem entre outros. As obras de conversão da P-74 têm previsão de término em junho de 2014.



A Operação


O navio P-74, hoje um petroleiro do tipo VLCC (Very Large Crude Carrier), saiu na segunda-feira (20) às 9h do Porto do Rio de Janeiro, onde estava atracado desde sua chegada ao Brasil, em novembro passado. Durante as manobras e o transporte até o Estaleiro Inhaúma foram utilizados seis rebocadores, sendo quatro no reboque propriamente dito e dois de reserva. Após a passagem pelo vão central da Ponte Rio-Niterói o navio foi conduzido até o estaleiro. Para a entrada do navio no dique foram utilizados guinchos existentes no estaleiro. Toda a operação, desde a saída do porto até a entrada no dique, durou cerca de 6 horas.


O estaleiro ainda receberá as obras de conversão da P-75, P-76 e P-77, também destinadas aos campos da Cessão Onerosa. A Petrobras assinou o contrato de conversão para todas as plataformas em maio de 2012 com o Estaleiro Enseada Paraguaçu, consórcio formado pelas empresas Norberto Odebrecht S/A, OAS Ltda e UTC Engenharia S/A, e que possuem como parceiro tecnológico a empresa japonesa Kawasaki Heavy Industries. O valor global é de US$ 1,7 bilhão e as obras terão conteúdo nacional de 70%, com geração de cerca de 5 mil empregos diretos no pico das atividades.


Após a conclusão dessa etapa de conversão, cada casco será transportado até outro canteiro. A partir daí, será iniciada a etapa de integração, ou seja, a instalação de módulos da planta de processo sobre os cascos convertidos. Os contratos de construção e integração dos módulos serão assinados até abril de 2013.



Estaleiro Inhaúma


A primeira docagem do navio Petrobras 74 representa o início de uma nova era para o Estaleiro Inhaúma. Na década de 80, ele foi o segundo maior estaleiro do mundo na construção de navios. Porém, devido à decadência da indústria naval brasileira no final dos anos 80 e nos anos 90, acabou sendo abandonado e deteriorou-se durante mais de uma década sem atividades.


Para atender as crescentes demandas da Petrobras, a companhia arrendou o Estaleiro em junho de 2010 e assumiu a sua gestão por um período de 20 anos. Assim, a estatal iniciou a reforma do estaleiro e já reconstruiu importantes instalações como, por exemplo, o dique seco, que após um conjunto de obras de recuperação, encontra-se novamente em condições de uso.


A conversão do navio Petrobras 74 será a primeira grande obra realizada no Inhaúma após a sua retomada.



Fonte: Agência Petrobras
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar