acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Estados Unidos

Candidatos à presidência defendem uso do etanol e fim dos subsídios agrícolas

29/09/2008 | 09h57

Nova York (Estados Unidos) - O uso do etanol como alternativa energética para os Estados Unidos foi um dos assuntos tratados pelos candidatos à Presidência norte-americana no debate realizado nesta sexta-feira (26) na Universidade de Mississipi (EUA). O candidato republicano, John McCain, defendeu o fim dos subsídios agrícolas para o etanol.

 

Questionado sobre que medidas adotaria se vencesse a disputa, ele disse que eliminaria a ajuda dada pelo governo aos produtores do país.

 

O democrata Barack Obama defendeu que os Estados Unidos sejam independentes na área energética, investindo em energias alternativas como solar, eólica e biodiesel. Ele disse que se for presidente, vai garantir que em dez anos o país se libere da dependência do petróleo do Oriente Médio, aumentando a geração energética local.

 

Apesar do momento político conturbado, o primeiro debate entre os candidatos não teve fortes embates. Os principais pontos abordados por eles, especialmente na primeira parte do programa, foram o pacote do governo americano para solucionar a crise financeira dos Estados Unidos e a necessidade de cortes de gastos nas finanças públicas.

 

Outro ponto foi a política externa, prevista inicialmente para ser o principal assunto do debate. McCain defendeu a permanência das tropas americanas no Iraque e disse que os Estados Unidos estão vencendo a guerra por causa de uma estratégia bem sucedida.

 

Obama disse que é preciso reavaliar a aproximação dos Estados Unidos com a Rússia, devido às recentes ações militares na Geórgia. "Não se pode ser uma superpotência e agir como ditador”, criticou.

 

Os dois candidatos condenaram a utilização de armas nucleares pelo Irã. Para McCain, elas são uma ameaça ao Estado de Israel e podem encorajar outros países. Obama disse que isso poderia desencadear uma corrida armamentista no Oriente Médio.



Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar