acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Etanol

Campanha nos EUA desmitifica crença que uso de etanol prejudica motores náuticos

20/05/2016 | 11h49

Uma importante campanha publicitária vem ajudando a desconstruir o mito de que o uso da gasolina contendo 10% de etanol anidro (E10) cause problemas nos motores marítimos nos EUA. Lançada pela Associação de Combustíveis Renováveis daquele país (RFA, em inglês) no início de maio deste ano (04/05), inclui anúncios impressos e ações educacionais em todo o território americano e pretende conscientizar 12 milhões de proprietários de barcos sobre as vantagens econômicas e ambientais do uso do biocombustível.

A peça inaugural da campanha foi um comunicado de duas páginas na última edição do “Marina Dock Age”, jornal especializado em assuntos náuticos e distribuído em quase todas as marinas americanas. Com a mensagem “E10 é a escolha para donos de barcos que desejam performance extra e um combustível limpo” ("E10 is the fuel of choice for boaters who want extra performance from a cleaner fuel"), o informativo enfatizou que a mistura, homologada desde 1990 nos EUA, não trouxe qualquer prejuízo aos motores marítimos.

Para o consultor de Emissões e Tecnologia da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), Alfred Szwarc, trata-se de uma ação importante. "Desconstrói o mito de que o biocombustível presente na gasolina favoreceria absorção de água nos motores náuticos, resultando em sérios prejuízos ao equipamento. Vale assinalar que no Brasil as embarcações com motor Otto (ignição à vela) utilizam, há décadas, combustíveis misturados, que hoje têm uma proporção de até 27% de etanol em sua composição e não apresentam qualquer problema”, ressalta o especialista.

Segundo o presidente da RFA, Bob Dinneen, nos últimos anos muita desinformação tem sido perpetuada por opositores da indústria de biocombustíveis. “Por quase três décadas o E10 é utilizado em todos os tipos de motores marítimos nos EUA, e esta mistura de combustível é aprovada por todos os fabricantes, incluindo Honda, Kawasaki, Mercury Marine e Johnson Evinrude”, explicou o executivo em comunicado da RFA distribuído no dia de lançamento da campanha.

Anúncios

Para demonstrar a 12 milhões de americanos a capacidade do biocombustível em aumentar a potência de suas embarcações, o anúncio criado pela RFA afirma que “não é à toa que o E10 é o combustível exclusivo em todas as provas organizadas pela Associação Nacional de Barcos de Corrida (NBRA, em inglês).” O texto ressalta a importância da manutenção periódica e do uso carburante correto. Explica também a diferença do E10 para misturas superiores de etanol à gasolina, como os casos dos combustíveis E15 e E85, ambos autorizados somente para transporte rodoviário.

Recentemente (10/05), como parte dos esforços da campanha deflagrada no início deste mês, engenheiros mecânicos, especialistas em biocombustíveis e até pescadores profissionais foram ao Congresso americano para reforçar junto aos seus legisladores o papel estratégico do etanol no setor marítimo, tanto no que se refere à preservação ambiental quanto à segurança energética da nação.

De acordo como o diretor executivo do Conselho Empresarial de Biocombustíveis Avançados (ABBC, em inglês), Brooke Coleman, a visita ao Capitólio, em evento realizado pela organização Combustíveis América (FA, em inglês), representou uma excelente oportunidade para que os congressistas compreendam os benefícios do biocombustível, que nos EUA é produzido a partir do milho. "Sob o padrão de combustíveis renováveis (RFS, em inglês), a Agência Ambiental Americana (EPA, em inglês) é obrigada a garantir que a mistura de combustível continue a reduzir a dependência do petróleo, mantém o ar limpo e combater as mudanças climáticas", disse Coleman, na oportunidade, ao site Ethanol Producer Magazine.



Fonte: Assessoria Unica/Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar