acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Hidrelétrica

Camargo já demitiu mais de mil em Jirau

13/05/2011 | 09h33
O governo federal acatou a proposta da Camargo Corrêa de demitir quatro mil operários das obras de construção da usina de Jirau (RO). Em reunião realizada ontem, em Brasília, o secretário-geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, afirmou que o governo "não abre mão" do direcionamento acordado quanto à resolução dos conflitos trabalhistas em Jirau, isto é, a diminuição de pessoal, de forma a ampliar a fiscalização sobre os trabalhadores - ao todo, 22 mil operários trabalham na obra. A construtora já realizou mais de mil demissões desde os conflitos.
 

As centrais sindicais são contrárias a demissão do total de quatro mil trabalhadores nas obras de construção da usina em Jirau (RO), mas este posicionamento é apenas aparente - na prática, os sindicalistas não podem impedir uma dinâmica interna. É o que explica Messias Melo, secretário de relações do trabalho da Central Única dos Trabalhadores (CUT), para quem a maior parte dos operários não quer voltar às obras. "Dos seis mil trabalhadores que a Camargo Corrêa mandou de volta para suas casas, quando o conflito começou, ao menos 2,5 mil não querem voltar a Jirau de jeito nenhum."
 

Na reunião realizada ontem, além de Carvalho e Camargo Corrêa, participaram integrantes de sete centrais sindicais, do Sindicato Nacional da Indústria da Construção Pesada (Sinicon), da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) e do Ministério do Trabalho. Enquanto as centrais concordaram em "facilitar" o desligamento daqueles operários que não desejam voltar às obras, à Camargo Corrêa ficou com a incumbência de permitir maior participação do Sindicato dos Trabalhadores na Construção Civil da região na fiscalização quanto à jornada de trabalho.
 

Descontente com o acerto entre governo, sindicalistas e empresários, o Conlutas, central ligada ao PSTU, abandonou a mesa de negociação. "Como pode o trabalhador sair perdendo de algo que é culpa da empresa?", diz Atnágoras Lopes, do Conlutas


Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar