acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Infra-estrutura

Camargo Corrêa recorre para construir dique seco

18/04/2006 | 00h00

A Camargo Corrêa, que pretende construir um estaleiro em Suape, recorreu ontem ao fundo Rio Bravo na disputa pela construção de um dique seco para conserto de plataformas da Petrobras. A obra é disputada por sete consórcios e o menor preço apresentado foi da construtora WTorre, controladora do estaleiro Rio Grande, do Rio Grande do Sul. A Camargo Corrêa ficou em segundo lugar na proposta financeira, mas em primeiro na qualidade técnica.

Após a análise de sete propostas, a Rio Bravo tinha indicado a WTorre como a de melhor preço, com R$ 155 milhões - após redução do preço por incentivos fiscais. A Camargo Corrêa apresentou um valor cerca de quatro milhões superior, mas com maior participação de capital próprio, 35,1% contra 15% do projeto gaúcho. Ontem foi o último dia para a apresentação de recursos contra a WTorre, e a Camargo Corrêa confirmou ter sido uma das empresas que recorreram.

O dique seco está sendo contratado pela Petrobras através de uma engenharia financeira concebida pela administradora de recursos Rio Bravo. Um fundo de investimento será formatado para financiar a construção do dique, que terá um contrato de arrendamento exclusivo com a Petrobras.

Segundo fontes ouvidas pelo Jornal do Commercio, tanto de Pernambuco quanto do Rio Grande do Sul, existe uma pressão política para levar o projeto para o Rio Grande do Sul. Aquele Estado saiu da disputa das encomendas da Transpetro - que Pernambuco está melhor qualificado e que terá uma definição no final deste mês. Além disso, o fato de não ser uma licitação direta abre brechas para a ponderação de outros fatores, como o impacto social e a geração de empregos. A própria WTorre não tem experiência no setor naval. Para Pernambuco, o projeto é considerado importante porque consolidaria de vez um pólo naval, ao contar com um estaleiro com carteira de fornecimento para a Transpetro e um dique para a manutenção das plataformas da Petrobras. Além de Suape e Rio Grande, disputam a concorrência São Roque do Paraguaçu (BA) e Niterói (RJ). A Rio Bravo deve anunciar o vencedor ainda em maio.



Fonte: Jornal do Commercio
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar