acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Seminário

“Cada gota é um bem econômico”, diz especialista em debate na Firjan

27/03/2015 | 15h16
“Cada gota é um bem econômico”, diz especialista em debate na Firjan
Divulgação Firjan - Antonio Batalha Divulgação Firjan - Antonio Batalha

Marlos de Souza, diretor de planejamento e políticas da bacia hidrográfica de Murray-Darling, na Austrália, contou no VI Seminário de Gestão de Água na Indústria da Firjan como esse país enfrenta a escassez contínua de água. Na Austrália, o controle do uso da água é rigoroso e o governo investe muito em planejamento e campanhas que mudaram o comportamento da população. Durante a seca do milênio, não se podia lavar carro nem com balde. Quem consume água acima da média estabelecida paga mais caro.  O seminário aconteceu na tarde de quinta-feira, dia 26 de março.

“Muitas ações implentadas lá são factíveis de serem aplicadas no Brasil. Falta interesse político e engajamento da população”, ensinou Marlos. Ele conta que quando os reservatórios de água chegaram a 32% em Melbourne foi quase uma calamidade pública. Os da Bacia do Paraíba do Sul estão em 13,9%, mas desceram a 0,33% em fevereiro.

Souza, que é brasileiro, vive há 15 anos na Austrália. “Os australianos fazem planejamento para vários cenários de escassez e implementam as medidas”, contou. Ele enfatizou a importância dos programas de governo. “Mas para cobrar eficiência do cidadão, o governo tem que ser eficiente”, afirmou. Segundo ele, o índice de perdas na rede de abastecimento na Austrália oscila entre 9% e 12%. O da Sabesp, informou ele, é de 32%.

O especialista citou várias ações tomadas pelo estado de Vitoria: há aplicativo para celular em que o cidadão acompanha em tempo real o nível dos reservatórios; moradores receberam ampulheta de quatro minutos para controle do tempo de banho; o governo ressarce quem investe em um sistema doméstico de captação de água da chuva. “A visão do australiano é econômica. Cada gota é um bem econômico”, completou.

Ele relatou também que o governo estimula as indústrias a ter mais eficiência no consumo de água: “O governo envia um consultor para ensinar a economizar”. Souza recomendou: “Usem a crise de forma oportunista, tragam os players para sentar e agir juntos”.

Na abertura do evento, Isaac Plachta, presidente do conselho empresarial de Meio Ambiente, defendeu que a “população e empresas devem ser francamente informadas e estimuladas a usar água de forma mais racional”.

Pesquisa revela que crise hídrica já afeta empresas do Rio


Plachta lembrou que pesquisa da Firjan revelou que 30,6% das indústrias enfrentam problemas por causa do baixo nível dos reservatórios de água e que 56,7% das empresas fluminenses já adotam medidas para reduzir o consumo de agua. “A indústria do Rio já está fazendo sua parte, mas temos espaço para sermos mais efetivos. Situação é grave e demanda esforço de todos, mas antes de racionar é preciso raciocinar”, concluiu.

Também participaram do debate Guilherme Mercês, gerente de Economia e Estatística do Sistema Firjan; Paulo Carneiro, pesquisador da COPPE/UFRJ; Carlos Rosito, consultor sênior da GO Associados; Fabian Fenoglio, diretor técnico Degrémont; e Jorge Peron, especialista em Meio Ambiente do Sistema Firjan.



Fonte: Redação / Assessoria
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar