acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Internacional

Britânicos e australianos criam nova empresa de exploração

25/06/2004 | 00h00

A companhia britânica de petróleo e minerais Falkland Islands Holdings (FIH) e a petroleira australiana Global Petroleum, em sociedade com a administradora britânica de fundos de cobertura RAB Capital, criaram uma nova empresa denominada Falkland Oil ans Gas Limited (FOGL) para exploração de petróleo offshore, informou FIH em um comunicado.
 A idéia é incorporar a RAB Capital para financiar cerca da metade do custo de um programa de exploração sísmica de US$ 4,5 milhões, previsto para o 1T05, para detalhar de melhor maneira os indícios nas áreas de licenças offshore, disse à BNamericas o presidente de FIH, David Hudd.
"Reunimos o dinheiro através desta nova empresa para levar a cabo os estudos sísmicos no verão e ver se existe algo nesta área ao sul e a leste das Malvinas, que em realidade nunca antes havia sido explorado", declarou Hudd.
A FOGL podería, com o tempo, chegar a vender ações no Reino Unido para recaudar dinheiro para as obras de perfuração no caso do estudo sísmico resultar exitoso, sugeriu Hudd.
"Sem dúvida, poderíamos abrir o capital desta companhia de forma separada em Londres para reunir alguns fundos e avançar para a etapa seguinte", defendeu Hudd, agregando: "Sõ temos dinheiro suficiente para seguir trabalhando nesta fase seguinte, que levará 12 e 15 meses".
A idéia é seguir os passos da petroleira britânica Desire Petroleum que conseguiu recaudar fundos exitosamente em Londres para a exploração em áreas offshore na direção norte das ilhas.
"Os sócios da FOGL também poderíam incorporar a outra "petroleira major" para financiar a fase de perfuração, mas isso não se decidirá até que não se completem os estudos sísmicos, em meados de 2005", revelou Hudd.
As licenças de exploração na bacia do sul pertencíam originalmente a uma empresa de risco compartido integrada pela Falkland Islands Company - filiam da completa propriedade de FIH-, Global Petroleu e a britânica Hardman Resources.
Agora, tanto Falkland Islands Company quanto Global Petroleum assumirão participações na nova empresa FOGL, enquanto a Hardman operará a sociedade com FOGL nas licenças de exploração
O RAB Special Situations Fund, administrado por RAB Capital, assumirá uma participação de 45,4% em FOGL, enquanto a Falkland Islands Company e Global terão participações de 28,9% e 25,7%, respectivamente.
A nova empresa assumirá 77,5% das licenças do consórcio na bacia sul das Ilhas Malvinas, enquanto os 22,5% restantes ficarão nas mãos da Harkman
A FOGL contratou a Dampier Oil Limited, filial de completa propriedade da Global Petroleum para operar o projeto durante o período de estudos sísmicos e contratou a algumas companhias para executar e interpretar estes estudos.
As licenças cobrem uma área de 33,7 mil km² e estão situadas ao sul e a leste das Ilhas Malvinas. Ainda não foi perfurado nenhum poço, mas a perfuração de exploração poderia começãr entre 2006 e 2007. Se os resultados forem exitosos, a produção poderia começar dentro de cinco ou 10 anos.
O consórcio comprou e mapeou 4,4 mil km de dados sísmicos existentes em 2003, o que permitiu identificar uma série de indícios em profundidades marinhas de 400 a 1.850 metros. Os indícios incluem objetivos que poderiam conter entre 200 milhões e 2.500 milhões de barris de petróleo, informa o comunicado.
As Malvinas estão atraindo um grande interesse exploratório ultimamente, graças aos elevados preços internacionais do petróleo e a estabilidade percebida nas ilhas, segundo Hudd.



Fonte: BNamericas
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar