acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Empresas

Braskem vende ativos da unidade de Triunfo

09/05/2014 | 16h24

 

A petroquímica Braskem anunciou, na quinta-feira (8) a venda de ativos integrantes da unidade de tratamento de água (UTA) localizados no polo de Triunfo para a Odebrecht Ambiental, outra empresa do grupo Odebrecht. O acordo, avaliado em R$ 315 milhões, é apontado pela própria Braskem como uma das razões para o lucro de R$ 396 milhões registrado pela companhia no primeiro trimestre de 2014. O resultado é 70% superior ao lucro reportado pela petroquímica no mesmo intervalo do ano passado.
O acordo resultou em ganho de R$ 277 milhões no trimestre, conforme material divulgado há pouco pela Braskem. O ganho com a venda da UTA supera todo o lucro de R$ 233 milhões registrado pela petroquímica nos três primeiros meses do ano passado.
Além da venda dos ativos, o lucro do primeiro trimestre deste ano é reflexo do desempenho operacional e da adoção, desde maio de 2013, da contabilidade de hedge, segundo a Braskem.
O primeiro trimestre da Braskem foi marcado pela parada programada de manutenção da principal linha de produção do cracker de Triunfo. Esse fator, associado a problemas operacionais não detalhados pela companhia, fizeram com que a taxa de utilização das centrais encerrasse o trimestre em 85%. O número é maior do que a marca de 84% do quarto trimestre de 2013, mas está aquém do patamar de 90% dos três primeiros meses do ano passado.
Problemas nas unidades do Rio de Janeiro e São Paulo e paradas programadas em plantas de polietileno (PE) e PVC fizeram com que a taxa de utilização das unidades de PE caíssem de 85% no primeiro trimestre de 2013 para 79% nos três primeiros meses deste ano. No segmento de polipropileno (PP), a queda foi de 90% para 81% em igual base comparativa. No PVC, a queda foi de 84% para 83%.
A menor disponibilidade de matéria-prima contribuiu para que o volume de vendas de resinas termoplásticas da Braskem, categoria composta por PE, PP e PVC, caísse 2% sobre o primeiro trimestre de 2013, atingindo 901 mil toneladas. A demanda doméstica por resinas, por sua vez, cresceu 3% em igual base comparativa, alcançando 1,3 milhão de toneladas. Na comparação com o quarto trimestre de 2013, os volumes de venda da Braskem e demanda brasileira do primeiro trimestre deste ano ficaram próximos à estabilidade.

A petroquímica Braskem anunciou, na quinta-feira (8) a venda de ativos integrantes da unidade de tratamento de água (UTA) localizados no polo de Triunfo para a Odebrecht Ambiental, outra empresa do grupo Odebrecht. O acordo, avaliado em R$ 315 milhões, é apontado pela própria Braskem como uma das razões para o lucro de R$ 396 milhões registrado pela companhia no primeiro trimestre de 2014. O resultado é 70% superior ao lucro reportado pela petroquímica no mesmo intervalo do ano passado.

O acordo resultou em ganho de R$ 277 milhões no trimestre, conforme material divulgado há pouco pela Braskem. O ganho com a venda da UTA supera todo o lucro de R$ 233 milhões registrado pela petroquímica nos três primeiros meses do ano passado.

Além da venda dos ativos, o lucro do primeiro trimestre deste ano é reflexo do desempenho operacional e da adoção, desde maio de 2013, da contabilidade de hedge, segundo a Braskem.

O primeiro trimestre da Braskem foi marcado pela parada programada de manutenção da principal linha de produção do cracker de Triunfo. Esse fator, associado a problemas operacionais não detalhados pela companhia, fizeram com que a taxa de utilização das centrais encerrasse o trimestre em 85%. O número é maior do que a marca de 84% do quarto trimestre de 2013, mas está aquém do patamar de 90% dos três primeiros meses do ano passado.

Problemas nas unidades do Rio de Janeiro e São Paulo e paradas programadas em plantas de polietileno (PE) e PVC fizeram com que a taxa de utilização das unidades de PE caíssem de 85% no primeiro trimestre de 2013 para 79% nos três primeiros meses deste ano. No segmento de polipropileno (PP), a queda foi de 90% para 81% em igual base comparativa. No PVC, a queda foi de 84% para 83%.

A menor disponibilidade de matéria-prima contribuiu para que o volume de vendas de resinas termoplásticas da Braskem, categoria composta por PE, PP e PVC, caísse 2% sobre o primeiro trimestre de 2013, atingindo 901 mil toneladas. A demanda doméstica por resinas, por sua vez, cresceu 3% em igual base comparativa, alcançando 1,3 milhão de toneladas. Na comparação com o quarto trimestre de 2013, os volumes de venda da Braskem e demanda brasileira do primeiro trimestre deste ano ficaram próximos à estabilidade.

 



Fonte: Agência Estado
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar