acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Mão de Obra

Brasileiros dizem que alta rotatividade prejudica empresas e trabalhadores

04/04/2016 | 16h18

Quase metade dos brasileiros - 48% - acredita que as pessoas mudam de trabalho mais do que deveriam. Para mais de 70%, esse troca-troca prejudica as empresas, a economia e os trabalhadores, revela a pesquisa Rotatividade no Mercado de Trabalho, feita pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Mesmo assim, os próprios entrevistados reconhecem que não ficam muito tempo no mesmo emprego. De acordo com a pesquisa, três em cada dez trabalhadores atuam na mesma área por até dois anos. Apenas 24% estão na mesma área há mais de 15 anos. Entre os jovens com 16 a 24 anos, só 14% planejam seguir carreira no mesmo trabalho por mais de 15 anos.

Na avaliação da indústria, a alta rotatividade compromete a produtividade. "Os trabalhadores que permanecem mais tempo no trabalho são mais produtivos, porque têm mais incentivo e facilidades para adquirir conhecimentos e desenvolver as habilidades necessárias ao desempenho das suas atividades", diz o gerente-executivo de Pesquisa e Competitividade da CNI, Renato da Fonseca.

Além disso, o levantamento mostra que apenas 14% dos brasileiros tiveram ou têm um único trabalho com ou sem carteira assinada ao longo de suas vidas. Outros 30% já passaram por mais de cinco empregos e 47% tiveram mais de dois e menos de cinco empregos. Os moradores de cidades maiores tendem a mudar mais de trabalho. Nos municípios com mais de 100 mil habitantes, o número de pessoas que passaram por mais de cinco trabalhos sobe para 30%. Nas cidades com até 20 mil habitantes, cai para 23%.

"Mesmo em tempos de crise, a oferta de trabalho é maior e mais diversificada nas cidades de grande porte. Nesses municípios, há uma concorrência maior pela mão de obra, o que facilita a troca de trabalho", explica Fonseca. A pesquisa ouviu 2.002 pessoas em 140 municípios de 18 a 21 de setembro de 2015.



Fonte: Agência CNI de Notícias/Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar