acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Encomendas

Brasil Supply lança 1ª de 17 embarcações da Petrobras

08/10/2014 | 09h59

 

A Brasil Supply lança hoje, terça-feira, pela manhã, no Estaleiro Ilha SA (Eisa), no Rio de Janeiro, a primeira embarcação de grande porte entre as 17 contratadas pela Petrobras para serem usadas em áreas de exploração e produção do pós e pré-sal. Parte de um pacote de encomendas de navios orçado em R$ 700 milhões, a construção da embarcação de apoio à plataforma (Platatform Supply Vessel, PSV,em inglês) batizada de BS Itamaracá enfrentou uma greve de oito dias no Eisa, iniciada em 7 de junho, o que atrasou a entrega. Os trabalhadores do Eisa, estaleiro do empresário German Efromovich, cruzaram os braços por falta de pagamento. A avaliação da Brasil Supply, no entanto, é de que atrasos no cronograma de obras de embarcações não são exclusividade do Eisa, mas atingem todo o setor.
Embora a presidente da Petrobras, Graça Foster, reafirme o tempo todo que não aceitará mudanças no cronograma de entrega de embarcações, o presidente da Brasil Supply, José Ricardo Roriz, argumenta que os estaleiros brasileiros ainda estão em fase de adequação à explosão de encomendas da estatal desde a descoberta do pré-sal, em 2006. Por enquanto, em sua opinião, atrasos são inevitáveis. Mas, em sua opinião, passado esse período de aprendizagem, no prazo de cinco anos, os estaleiros nacionais estarão capacitados para atender à demanda interna e poderão ainda ser referência mundial no setor.
“O que acontece é que a demanda foi tão grande e o Brasil não estava preparado para atender às solicitações em um período tão curto. Houve uma corrida e, por isso, estão tendo atrasos. Com o tempo, os estaleiros estão se modernizando, se equipando para atender aos compromissos”, afirmou Roriz ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado.
Ao todo, a Petrobras encomendou à Brasil Supply 11 navios de grande porte, que serão usados no transporte de fluidos até as plataformas. Além disso, foi contratada para construir cinco embarcações de alta velocidade para levar profissionais e equipamentos até as plataformas e ainda um navio de monitoramento ambiental, já em operação. Dos quatro navios de grande porte, quatro ficaram com o Eisa. Os demais serão construídos no Estaleiro Arpoador, no Guarujá (SP), ao qual coube também a construção das cinco embarcações de alta velocidade.
Hoje, a Brasil Supply se ocupa exclusivamente da encomenda de R$ 700 milhões, contratada em 2011 com duração até 2016. A empresa não entrou em nova licitação neste ano, mas, segundo Roriz, o projeto é participar de outras concorrências daqui para frente. O BS Itamaracá, que será entregue amanhã, possui 91,4 metros e capacidade de 4,5 mil toneladas de carga.

A Brasil Supply lança hoje, terça-feira, pela manhã, no Estaleiro Ilha SA (Eisa), no Rio de Janeiro, a primeira embarcação de grande porte entre as 17 contratadas pela Petrobras para serem usadas em áreas de exploração e produção do pós e pré-sal.

Parte de um pacote de encomendas de navios orçado em R$ 700 milhões, a construção da embarcação de apoio à plataforma (Platatform Supply Vessel, PSV,em inglês) batizada de BS Itamaracá enfrentou uma greve de oito dias no Eisa, iniciada em 7 de junho, o que atrasou a entrega.

Os trabalhadores do Eisa, estaleiro do empresário German Efromovich, cruzaram os braços por falta de pagamento.

A avaliação da Brasil Supply, no entanto, é de que atrasos no cronograma de obras de embarcações não são exclusividade do Eisa, mas atingem todo o setor.

Embora a presidente da Petrobras, Graça Foster, reafirme o tempo todo que não aceitará mudanças no cronograma de entrega de embarcações, o presidente da Brasil Supply, José Ricardo Roriz, argumenta que os estaleiros brasileiros ainda estão em fase de adequação à explosão de encomendas da estatal desde a descoberta do pré-sal, em 2006.

Por enquanto, em sua opinião, atrasos são inevitáveis.

Mas, em sua opinião, passado esse período de aprendizagem, no prazo de cinco anos, os estaleiros nacionais estarão capacitados para atender à demanda interna e poderão ainda ser referência mundial no setor.

“O que acontece é que a demanda foi tão grande e o Brasil não estava preparado para atender às solicitações em um período tão curto. Houve uma corrida e, por isso, estão tendo atrasos.

Com o tempo, os estaleiros estão se modernizando, se equipando para atender aos compromissos”, afirmou Roriz ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado.

Ao todo, a Petrobras encomendou à Brasil Supply 11 navios de grande porte, que serão usados no transporte de fluidos até as plataformas.

Além disso, foi contratada para construir cinco embarcações de alta velocidade para levar profissionais e equipamentos até as plataformas e ainda um navio de monitoramento ambiental, já em operação.

Dos quatro navios de grande porte, quatro ficaram com o Eisa.

Os demais serão construídos no Estaleiro Arpoador, no Guarujá (SP), ao qual coube também a construção das cinco embarcações de alta velocidade.

Hoje, a Brasil Supply se ocupa exclusivamente da encomenda de R$ 700 milhões, contratada em 2011 com duração até 2016. A empresa não entrou em nova licitação neste ano, mas, segundo Roriz, o projeto é participar de outras concorrências daqui para frente.

O BS Itamaracá, que será entregue amanhã, possui 91,4 metros e capacidade de 4,5 mil toneladas de carga.

 



Fonte: Agência Estado
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar