acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Rio Oil & Gas 2014

Brasil se destaca em cenário mundial de energias renováveis

16/09/2014 | 06h12
Brasil se destaca em cenário mundial de energias renováveis
Brasil se destaca em cenário mundial de energias renováveis Brasil se destaca em cenário mundial de energias renováveis

 

 

O Brasil se manterá forte no setor de energias renováveis até 2030, concluiu painel sobre a Matriz Energética Brasileira, realizado nesta segunda-feira (15/9), durante o primeiro dia da Rio Oil & Gas 2014. Dados da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) mostram que, em dez anos, a participação da energia eólica na matriz energética brasileira vai saltar de 2% para 10%, compensando o baixo crescimento das hidrelétricas no mesmo período. “Esses números comprovam a eficácia dos investimentos que têm sido feitos pelo Brasil em energia eólica”, afirmou o diretor da ANP Helder Queiroz. Impulsionado também pela maior utilização de biomassa, o crescimento de energias renováveis no país até 2030 será maior do que em países como Espanha, Alemanha e Itália, segundo Mark Finley, gerente geral de Mercados Globais de Energia da BP.

 

De acordo com Antonio Eduardo de Castro, gerente executivo de Estratégia Coorporativa da Petrobras, o equilíbrio entre as energias fósseis e renováveis também é um dos destaques brasileiros no cenário global. “Temos 55% de oferta de combustíveis fósseis e 43% de fontes renováveis. No mundo, 80% da oferta de energia primária vem de combustíveis fósseis, o que deve cair para cerca de 70% em 2030”.

 

De acordo com Maurício Tolmasquim, presidente da EPE, a demanda por energia no Brasil crescerá 4% ao ano até 2023, número ligeiramente superior aos 3,8% de projeção de crescimento do PIB.

 

O Brasil deve manter o protagonismo no setor de petróleo, segundo os debatedores. “Hoje já extrapolamos a marca de 500 mil barris/dia, o pré-sal é uma realidade”, afirmou Helder Queiroz. Segundo Antonio de Castro, a Petrobras e seus parceiros serão responsáveis por um milhão de barris por dia em 2017. “Não há barreiras tecnológicas que impeçam a produção. O Brasil já é um exportador e, no mínimo, irá dobrar sua produção de petróleo nas próximas décadas”, disse, salientando que a previsão é que o país produza em média 5,2 barris/dia entre 2020 e 2030.

 

 

 

Assessoria de Imprensa rio Oil&Gas Expo and Conference 2014



Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar