acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Política

Brasil e China discutem ampliação de comércio

15/04/2013 | 10h51
Brasil e China discutem ampliação de comércio
Secretário-Executivo do MDIC, Alessandro Teixeira Secretário-Executivo do MDIC, Alessandro Teixeira

 

O secretário-executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Alessandro Teixeira, reuniu-se no último dia 12 com o vice-ministro e representante de comércio internacional da China, Zhong Shan, com delegações de governo de ambas as partes. Na reunião, Teixeira disse que o Brasil reconhece a China como um parceiro estratégico para o desenvolvimento.
“As políticas brasileiras de desenvolvimento buscam objetivos similares com o modelo de desenvolvimento social e econômico da China. Especialmente a política industrial brasileira tem procurado exemplos no atual 12° plano de desenvolvimento chinês”, comentou. O secretário considerou que as relações comerciais entre os dois países são “muitas intensas”, o que coloca o desafio de sempre aperfeiçoa-las solucionando eventuais dificuldades.
Zhong Shan avaliou que o desenvolvimento brasileiro vem ocorrendo de forma muita rápida e que o objetivo de sua primeira visita ao país, como representante do governo chinês do presidente Xi Jinping, é promover o intercâmbio comercial com o Brasil. “Estamos no melhor nível de cooperação da história dos nossos países. A confiança entre os nossos governos é muito grande, sem que haja problemas na esfera política”, disse.
O representante chinês considerou que há grande potencial para parcerias entre Brasil e China nas áreas de produção manufatureira, energia, telecomunicações, produção agrícola e financiamento. Ele mencionou ainda que, nos próximos cinco anos, a China deverá importar US$ 3 trilhões do mundo e que o Brasil poderá aumentar a sua participação nas compras chinesas, especialmente de produtos manufaturados. “Há muita complementariedade entre as nossas economias com grande potencial a ser explorado pelo Brasil”, destacou.
O encontro entre as autoridades serviu ainda para que Teixeira apresentasse a proposta de o Brasil ser o país foco da feira internacional de importação da China, na edição de 2014. O secretário-executivo do MDIC também propôs a realização de duas missões comerciais ao país ainda este ano e se prontificou a receber uma missão de empresários chineses interessados em investir em projetos de infraestrutura no Brasil.

O secretário-executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Alessandro Teixeira, reuniu-se no último dia 12 com o vice-ministro e representante de comércio internacional da China, Zhong Shan, com delegações de governo de ambas as partes. Na reunião, Teixeira disse que o Brasil reconhece a China como um parceiro estratégico para o desenvolvimento.


“As políticas brasileiras de desenvolvimento buscam objetivos similares com o modelo de desenvolvimento social e econômico da China. Especialmente a política industrial brasileira tem procurado exemplos no atual 12° plano de desenvolvimento chinês”, comentou. O secretário considerou que as relações comerciais entre os dois países são “muitas intensas”, o que coloca o desafio de sempre aperfeiçoa-las solucionando eventuais dificuldades.


Zhong Shan avaliou que o desenvolvimento brasileiro vem ocorrendo de forma muita rápida e que o objetivo de sua primeira visita ao país, como representante do governo chinês do presidente Xi Jinping, é promover o intercâmbio comercial com o Brasil. “Estamos no melhor nível de cooperação da história dos nossos países. A confiança entre os nossos governos é muito grande, sem que haja problemas na esfera política”, disse.


O representante chinês considerou que há grande potencial para parcerias entre Brasil e China nas áreas de produção manufatureira, energia, telecomunicações, produção agrícola e financiamento. Ele mencionou ainda que, nos próximos cinco anos, a China deverá importar US$ 3 trilhões do mundo e que o Brasil poderá aumentar a sua participação nas compras chinesas, especialmente de produtos manufaturados. “Há muita complementariedade entre as nossas economias com grande potencial a ser explorado pelo Brasil”, destacou.


O encontro entre as autoridades serviu ainda para que Teixeira apresentasse a proposta de o Brasil ser o país foco da feira internacional de importação da China, na edição de 2014. O secretário-executivo do MDIC também propôs a realização de duas missões comerciais ao país ainda este ano e se prontificou a receber uma missão de empresários chineses interessados em investir em projetos de infraestrutura no Brasil.



Fonte: MDIC
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar