acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Operação Atlântico

Brasil deve se preparar para defender campos de pré-sal

10/09/2008 | 09h18

As manobras que as Forças Armadas vão fazer a partir do próximo dia 12 sobre as bacias petrolíferas de Santos, Campos e Espírito Santo, batizadas de Operação Atlântico, são necessárias para o país garantir a soberania das jazidas de petróleo recém-descobertas na camada pré-sal.

 

A opinião é do estrategista militar Geraldo Cavagnari, membro e fundador do Núcleo de Estudos Estratégicos da Universidade de Campinas (Unicamp). Segundo ele, o Brasil tem que mostrar ao mundo que suas fronteiras estão sendo vigiadas, principalmente depois da descoberta do petróleo pré-sal, que “aumentou a cobiça sobre as águas brasileiras”.

 

Cavagnari lembrou que um dos produtos associados à extração petrolífera é o gás, que tanto poderá ser processado em alto-mar quanto vir à terra por gasodutos. “A Marinha precisa ter uma presença efetiva para evitar sabotagens e para isso é necessário muito investimento, incluindo o submarino nuclear, que é imprescindível”, disse Cavagnari, que é coronel da reserva.

 

Sobre as manobras militares que a Venezuela fará com a Rússia no Caribe, o militar afirmou que não representam qualquer ameaça ao Brasil. Ele chama a atenção, porém, para os últimos desdobramentos da crise entre Rússia e Estados Unidos por causa do escudo anti-mísseis que os americanos estão instalando nos países da antiga Cortina de Ferro, no leste europeu.

 


“Pode-se configurar um novo cenário de Guerra Fria. Este é o momento de o Brasil, usando recursos do petróleo, investir nas Forças Armadas, para garantir equipamentos, alto nível de prontidão e capacidade de pronta resposta”, afirmou Cavagnari.

 

Outras polêmicas recentes foram a chegada de navios norte-americanos para prestar ajuda humanitária à Geórgia, país aliado dos Estados Unidos que foi invadido pela Rússia após conflitos em províncias separatistas, e a declaração do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, de que fará manobras militares conjuntas com a Rússia no Caribe.



Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar