acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
publicidade
Cooperação

Brasil ajuda na crise energética cubana

28/10/2004 | 00h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva comprometeu-se na terça-feira à tarde, por telefone, com seu colega cubano, Fidel Castro, a enviar ajuda para que Cuba supere a crise energética que se abateu sobre o país. De forma emergencial, o Brasil poderá enviar óleo combustível e turbinas para a ilha, que também deverá receber apoio técnico brasileiro. Em um segundo momento, possivelmente, os cubanos poderão conhecer a experiência de produção brasileira de energia de biomassa, que usa o bagaço da cana-de-açúcar.
Lula ligou para desejar "pronto restabelecimento" ao líder cubano, de 78 anos, que levou um tombo na semana passada após a realização de um discurso e sofreu fratura no joelho esquerdo e uma fissura no braço. Ouviu dele um pedido de socorro para resolver a crise de energia.
A ajuda do Brasil será definida pela ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff, que viaja hoje para a Venezuela, que já está enviando óleo combustível para Cuba. Ali, Dilma deve se encontrar com sua contraparte cubana. Dilma participará, na Ilha Margarida, de reunião ordinária da Organização Latino-americana de Desenvolvimento (Oladi).
"Ainda não sabemos como será a ajuda a Cuba pois não temos notícias exatas do problema que o país atravessa, se é localizado ou em toda a ilha", afirmou a ministra. Ela lembrou que o procedimento é semelhante ao adotado pelo Brasil nas recentes crises energéticas da Argentina e do Uruguai, quando o Brasil forneceu energia elétrica aos países vizinhos.
Dilma Roussef afirmou que a solução poderá ser apenas técnica. Ela adiantou, contudo, que o Brasil vai dividir o auxílio: um de tipo emergencial, para que a ilha não enfrente racionamento, e outro mais de longo prazo, buscando saídas que tragam "segurança energética" ao país.
"Faremos como fizemos com a Argentina: primeiro ajudamos e depois conversamos", afirmou a ministra de Minas e Energia.



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar