acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Economia

BR Distribuidora desconhece ideia de desconto para combustível

15/10/2012 | 17h11

 

O presidente da BR Distribuidora, José Lima Neto, disse nesta segunda-feira (15) que desconhece qualquer proposta do governo de fazer com que a empresa, controlada pela Petrobras, dê desconto na venda de combustíveis na bomba.
A notícia da possibilidade da redução nos preços na bomba foi publicada em coluna do jornalista Guilherme Barros, da revista "Isto É Dinheiro", e estaria dentro de uma estratégia de permitir que a Petrobras elevasse os preços dos combustíveis nas refinarias.
O jornalista ressaltou que a decisão ainda não está tomada, mas a informação pressionou as ações de empresas de combustíveis, como Cosan e Ultrapar, que seriam afetadas por eventual redução de preços da BR, maior distribuidora do país.
Cosan e Ultrapar figuravam entre as principais quedas do Ibovespa nesta segunda-feira, caindo mais de 4% por volta das 14h30.
"Desconheço qualquer negociação sobre isso", disse Lima Neto ao ser questionado pela "Reuters" sobre o assunto, em entrevista por telefone.
Segundo a ideia relatada por Barros, a BR daria um desconto aos consumidores e isso obrigaria as outras empresas do setor de baixar seus preços, a exemplo do que os bancos públicos fizeram com suas taxas de juros.
O objetivo da estratégia seria abrir espaço para a Petrobras poder aumentar os preços nas refinarias sem causar impacto na inflação. A BR teria suas margens reduzidas, em contrapartida.
Lima Neto, no entanto, disse que nunca conversou dentro da empresa sobre a possibilidade de desconto na venda de combustíveis e que desconhece qualquer negociação nesse sentido.
A presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, já disse publicamente que o reajuste dos combustíveis é fundamental para que a estatal cumpra seu plano de investimentos de US$ 236 bilhões em cinco anos, e que a companhia trabalha pela paridade de preços no mercado doméstico em relação aos preços praticados internacionalmente.

O presidente da BR Distribuidora, José Lima Neto, disse nesta segunda-feira (15) que desconhece qualquer proposta do governo de fazer com que a empresa, controlada pela Petrobras, dê desconto na venda de combustíveis na bomba.


A notícia da possibilidade da redução nos preços na bomba foi publicada em coluna do jornalista Guilherme Barros, da revista "Isto É Dinheiro", e estaria dentro de uma estratégia de permitir que a Petrobras elevasse os preços dos combustíveis nas refinarias.


O jornalista ressaltou que a decisão ainda não está tomada, mas a informação pressionou as ações de empresas de combustíveis, como Cosan e Ultrapar, que seriam afetadas por eventual redução de preços da BR, maior distribuidora do país.


Cosan e Ultrapar figuravam entre as principais quedas do Ibovespa nesta segunda-feira, caindo mais de 4% por volta das 14h30.


"Desconheço qualquer negociação sobre isso", disse Lima Neto ao ser questionado pela "Reuters" sobre o assunto, em entrevista por telefone.


Segundo a ideia relatada por Barros, a BR daria um desconto aos consumidores e isso obrigaria as outras empresas do setor de baixar seus preços, a exemplo do que os bancos públicos fizeram com suas taxas de juros.


O objetivo da estratégia seria abrir espaço para a Petrobras poder aumentar os preços nas refinarias sem causar impacto na inflação. A BR teria suas margens reduzidas, em contrapartida.


Lima Neto, no entanto, disse que nunca conversou dentro da empresa sobre a possibilidade de desconto na venda de combustíveis e que desconhece qualquer negociação nesse sentido.


A presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, já disse publicamente que o reajuste dos combustíveis é fundamental para que a estatal cumpra seu plano de investimentos de US$ 236 bilhões em cinco anos, e que a companhia trabalha pela paridade de preços no mercado doméstico em relação aos preços praticados internacionalmente.

 



Fonte: Agência Reuters
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar