acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
América do Sul

Bolívia busca crédito para mais gasodutos

23/10/2006 | 00h00

O governo boliviano iniciou os trâmites com a Corporação Andina de Fomento (CAF) para conseguir um crédito de US$ 100 milhões para a ampliação de um gasoduto para a região do altiplano, com o objetivo de atender à demanda interna do país.

O presidente da Bolívia, Evo Morales, disse que conversou com o presidente da CAF, o boliviano Enrique García, para obter um crédito para a ampliação dutos Carrasco-Cochabamba, com ramais ao altiplano e sul do país andino.

"O presidente da CAF expressou sua disposição em apoiar nosso governo. Se não houver investimentos na questão dos dutos, teremos que construir sem sócios, mas necessitamos crédito", disse Morales, a um grupo de agricultores em Tarija, ao sul de La Paz. O setores industriais de La Paz pediram à Superintendência de Hidrocarbonetos do país que exija que a Transredes amplie a capacidade do gasoduto ao altiplano, devido ao atual desabastecimento no fornecimento diário de gás natural.

A Transredes (filial da anglo-holandesa Shell e da britânica Ashmore) não cumpre um plano de investimentos para ampliar uma rede de distribuição de gás natural e petróleo para as cidades do oeste da Bolívia.

Os proprietários de fábricas em La Paz têm se referido a uma constante diminuição no fornecimento de gás natural, o que acabou provocando a queda de produção.

A Superintendência de Hidrocarbonetos, no entanto, avalia a suspensão de autorizações para o funcionamento de novas estações de gás natural, como uma medida de prevenção perante o racionamento por causa das limitações físicas do atual gasoduto.

O gasoduto para o altiplano possui uma capacidade de transportar 75 milhões de pés cúbicos de gás por dia, dos campos de Santa Cruz a La Paz, Oruro e Cochabamba. A demanda das indústrias do oeste boliviano chega a 90 milhões de pés cúbicos de gás/dia.

Morales admite que seu governo tem dificuldades para cumprir seu programa de nacionalização e recuperação dos hidrocarbonetos.



Fonte: Valor Econômico/Ag.
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar