acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Financiamento

BNDES vai reduzir empréstimos e abrir espaço para mercado de títulos

05/04/2011 | 16h31
O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, disse hoje (5) que a instituição deve reduzir o volume de empréstimos concedidos neste ano. Com essa redução, o BNDES visa a colaborar para o desenvolvimento de formas privadas de financiamento de investimento de longo prazo no país.


Segundo Coutinho, o BNDES espera deixar de emprestar até R$ 30 bilhões em 2011, confiando que bancos e o mercado de capitais suprirão essa redução. No ano passado, o banco concedeu R$ 170 bilhões em empréstimos. Em 2011, segundo Coutinho, devem ser aproximadamente R$ 145 bilhões.


“Neste ano, o indicador de sucesso do BNDES não é a ampliação dos empréstimos, mas a moderação dos desembolsos”, afirmou Coutinho, durante seminário organizado pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). “Se a gente puder realizar menos [empréstimos] do que no ano passado, será muito bom.”


No seminário, Coutinho apoiou o projeto da Anbima de criar um mercado de títulos de dívidas de empresas no Brasil. Por meio dele, companhias com projetos de investimento poderiam emitir esses títulos, vendê-los a investidores e obter recursos para realizar seus planos sem a necessidade de aporte do BNDES.


Para Coutinho, a ideia da Anbima é boa e será incentivada pelo BNDES. O banco pretende comprar até R$ 10 bilhões em títulos de dívidas de empresas vendidos em ofertas públicas. "Queremos ajudar o desenvolvimento do mercado", disse ele.


O presidente do BNDES reforçou que a redução dos empréstimos da instituição depende da ampliação do financiamento privado dos investimentos. O corte esperado não será brusco para garantir o crescimento dos investimentos nos país, que, em 2011, pode chegar a 10% ante 2010. “O que não poderíamos fazer é uma redução radical”, complementou.


O presidente da Anbima, Marcelo Giufrida, informou que dez grupos de trabalho já foram formados para estruturar esse mercado de títulos de dívidas de empresas. Segundo ele, ainda neste ano, o mercado deve estar operando e financiando projetos.


Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar