acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
publicidade
América do Sul

Bloco explorado pela Petrobras na Venezuela terá reservas certificadas em novembro

01/06/2006 | 00h00

O bloco Carabobo 1 na faixa venezuelana de petróleo extrapesado do Orinoso se converterá, em novembro, no primeiro bloco com reservas certificadas, disse à BNamericas o gerente geral do processo de certificação.

Carabobo 1 tem cerca de 5 bilhões de barris, destacou Pedro León, que trabalha para a filial CVP da petroleira estatal PDVSA. A CVP se encarrega de negociar todos os acordos da PDVSA com sócios nacionais e estrangeiros.

A canadense Ryder Scott é a encarregada de certificar os achados, acrescentou León.

Carabobo 1 é um dos sete blocos do Orinoco onde a PDVSA e sete petroleiras estrangeiras, a maioria delas estatais, estão realizando processos de certificação de reservas. Carabobo 1, em particular, é explorado em conjunto com a brasileira Petrobras.

"Em 10 dias estará sendo escavado o primeiro poço estratigráfico ali, o Carabobo 1X", informou León, com ele se dá início à segunda fase do processo de avaliação da reserva.

Em geral, serão perfurados 14 poços exploratórios no bloco antes do fim do ano. O petróleo extraído nesta zona oscila entre 7,5 e 14 graus API.

Acredita-se que a faixa do Orinoco contém 1 bilhão de barris de petróleo, mas a cifra real dependem, em grande medida, do fator de recuperação permitido pelas nvoas tecnologias, afirmou León, que disse que 400 milhões de barris seria um bom cáculo, com um fator de recuperação de 20%.

Os outros seis blocos onde se realiza o trabalho conjunto de avaliação de reservas são: Ayacucho 7 com a iraniana Petropars; Ayacucho 3 com a russa Gazprom; Junín Norte com a indiana ONGC; Junín 3 com a russa Lukoil; Junín 4 com a chinesa CNPC ; e Junín 7 com a espanhola Repsol YPF. PDVSA trabalha por sua conta em outros 17 blocos.

A certificação de todas as reservas do Orinoco poderia demandar até três anos.



Fonte: BNamericas
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar