acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Energia

Bioenergy cadastra 488,9 MW em projetos para Leilão A-3

16/08/2013 | 16h29
Bioenergy cadastra 488,9 MW em projetos para Leilão A-3
Parque Aratuá 1. Divulgação Parque Aratuá 1. Divulgação

 

A Bioenergy comunicou nesta sexta-feira (16) que cadastrou, na Empresa de Pesquisa Energética (EPE), 20 projetos de energia eólica e solar para o próximo Leilão A-3 a ser realizado no dia 23 de agosto.
Os empreendimentos somam ao todo 488,9 megawatts (MW). Foram registrados 11 projetos de energia eólica com potência de 317,9 MW, todos localizados no estado do Maranhão - onde a empresa já desenvolve parques e uma linha de transmissão. Nove iniciativas cadastradas são de energia solar e somam 171 MW.
Sérgio Marques, presidente da Bioenergy, acredita que o preço estipulado de R$ 117,00 o MWh e a exigência de produtividade a P90 são condições que podem desestimular alguns participantes. “Na prática, as exigências fazem a tarifa atingir um valor até mais baixo do que fechamos no certame em dezembro do ano passado”, explica. Na época, a Bioenergy fechou projetos com preço a R$ 93,00 o MWh. “Fomos criticados, mas agora parece que todos estamos na mesma situação”, complementa.

A Bioenergy comunicou nesta sexta-feira (16) que cadastrou, na Empresa de Pesquisa Energética (EPE), 20 projetos de energia eólica e solar para o próximo Leilão A-3 a ser realizado no dia 23 de agosto.


Os empreendimentos somam ao todo 488,9 megawatts (MW). Foram registrados 11 projetos de energia eólica com potência de 317,9 MW, todos localizados no estado do Maranhão - onde a empresa já desenvolve parques e uma linha de transmissão. Nove iniciativas cadastradas são de energia solar e somam 171 MW.


Sérgio Marques, presidente da Bioenergy, acredita que o preço estipulado de R$ 117,00 o MWh e a exigência de produtividade a P90 são condições que podem desestimular alguns participantes. “Na prática, as exigências fazem a tarifa atingir um valor até mais baixo do que fechamos no certame em dezembro do ano passado”, explica. Na época, a Bioenergy fechou projetos com preço a R$ 93,00 o MWh. “Fomos criticados, mas agora parece que todos estamos na mesma situação”, complementa.



Fonte: Revista TN Petróleo, Redação com Assessoria
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar