acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Energias Renováveis

Bioenergy adquire planta de energia solar na Bahia por R$ 7 milhões

20/09/2012 | 13h38

 

A Bioenergy anunciou hoje (20) a aquisição de uma planta de energia solar fotovoltaica da Solyes a ser implantada no município de Oliveira dos Brejinhos, na Bahia, pelo valor total de R$ 7 milhões. A unidade com potência de 1 megawatt (MW) deverá entrar em operação no primeiro semestre de 2013 e contará com três tecnologias fotovoltaicas diferentes, (policristalino, monocristalino e filme fino) para a captação de radiação solar, de 10 fornecedores distintos de equipamentos localizados nos Estados Unidos, Ásia (China, Taiwan e Singapura) e Alemanha. 
 
A compra foi resultado de um longo período de análise e de seleção de projetos, uma vez que a Bioenergy, em agosto deste ano, foi a primeira geradora a comercializar energia solar em um leilão de energia no Ambiente de Contratação Livre (ACL). A planta da Solyes já se configura como um dos investimentos mais eficientes do segmento, uma vez que seu orçamento de R$ 7 milhões é significativamente menor do que projetos de porte semelhante da Eletrosul (R$ 8,1 milhões) e da MPX (R$ 11 milhões), apesar do desafio de implantar diversas tecnologias e fornecedores simultâneamente. 
 
“Nossa oferta de preço a Bioenergy demonstra o potencial econômico crescente da fonte e nossa competência como executores de projetos full turn key fotovoltáicos no Brasil, tanto para projetos montados em terra como para projetos montados dentro das unidades de consumo de grandes clientes comerciais”, afirma Eduardo Serra, presidente da Solyes. A empresa conta com 566 MW em projetos eólicos com registros já solicitados a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). 
 
Os investimentos da Bioenergy em energia solar devem continuar. A previsão é investir R$ 20 milhões em empreendimentos que vão somar ao todo de 3 MW. Para o presidente da Bioenergy, Sérgio Marques, as perspectivas são muitos boas e o Brasil está marcando passo na área. “Estamos muito atrasados no desenvolvimento dessa fonte”, conclui.

A Bioenergy anunciou hoje (20) a aquisição de uma planta de energia solar fotovoltaica da Solyes a ser implantada no município de Oliveira dos Brejinhos, na Bahia, pelo valor total de R$ 7 milhões. A unidade com potência de 1 megawatt (MW) deverá entrar em operação no primeiro semestre de 2013 e contará com três tecnologias fotovoltaicas diferentes, (policristalino, monocristalino e filme fino) para a captação de radiação solar, de 10 fornecedores distintos de equipamentos localizados nos Estados Unidos, Ásia (China, Taiwan e Singapura) e Alemanha. 


 
A compra foi resultado de um longo período de análise e de seleção de projetos, uma vez que a Bioenergy, em agosto deste ano, foi a primeira geradora a comercializar energia solar em um leilão de energia no Ambiente de Contratação Livre (ACL). A planta da Solyes já se configura como um dos investimentos mais eficientes do segmento, uma vez que seu orçamento de R$ 7 milhões é significativamente menor do que projetos de porte semelhante da Eletrosul (R$ 8,1 milhões) e da MPX (R$ 11 milhões), apesar do desafio de implantar diversas tecnologias e fornecedores simultâneamente. 


 
“Nossa oferta de preço a Bioenergy demonstra o potencial econômico crescente da fonte e nossa competência como executores de projetos full turn key fotovoltáicos no Brasil, tanto para projetos montados em terra como para projetos montados dentro das unidades de consumo de grandes clientes comerciais”, afirma Eduardo Serra, presidente da Solyes. A empresa conta com 566 MW em projetos eólicos com registros já solicitados a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). 


 
Os investimentos da Bioenergy em energia solar devem continuar. A previsão é investir R$ 20 milhões em empreendimentos que vão somar ao todo de 3 MW. Para o presidente da Bioenergy, Sérgio Marques, as perspectivas são muitos boas e o Brasil está marcando passo na área. “Estamos muito atrasados no desenvolvimento dessa fonte”, conclui.

 



Fonte: Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar