acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Mercado

Barril sobe com problemas na indústria norueguesa

25/06/2004 | 00h00

Os contratos futuros de petróleo subiram em Londres (International Petroleum Exchange-IPE) e Nova York (New York Mercantile Exchange-Nymex), impulsionados pela ampliação da greve dos petroleiros na Noruega, que ameaça paralisar toda a produção do país. Em resposta aos planos dos petroleiros de expandirem o movimento de greve, iniciado no domingo, a Associação da Indústria de Petróleo da Noruega anunciou hoje que iniciaria um locaute a partir de segunda-feira. A greve dos petroleiros já reduziu a produção da Noruega - terceiro maior exportador do mundo - em 400 mil barris/dia. Um locaute paralisaria completamente o restante da produção, de cerca de 3 milhões de barris/dia.
Na Nymex, os contratos de petróleo para agosto fecharam em US$ 37,93 o barril, em alta de US$ 0,36 (+0,96%); a mínima foi de US$ 37,48 e a máxima de US$ 38,10. Na IPE, os contratos de petróleo Brent para agosto fecharam em US$ 35,30 o barril, em alta de US$ 0,27 (+0,77%); a mínima foi de US$ 35,00 e a máxima de US$ 35,53.
Contudo, embora seja amplamente esperado que o governo use seu poder de arbitragem para evitar um locaute, traders dos dois lados do Atlântico fizeram hedge de suas apostas para o caso de ocorrer uma paralisação na produção da Noruega, disse James Steel, diretor de pesquisa da corretora Refco LLC em Nova York.‘‘A ameaça de locaute na segunda-feira certamente impressionou o mercado em parte, porque nós não víamos sinal de intervenção do governo (ainda)’’, disse Steel.

Greve - Contudo, o avanço relativamente pequeno dos preços reflete o forte consenso no mercado de que a greve na Noruega terminará antes que se transforme num locaute, disseram analistas. O governo norueguês pode forçar a negociação de ambos os lados e ordenar os petroleiros a retornarem ao trabalho. ‘‘A disputa se intensificou ao ponte de que parece provável que o governo irá intervir para impor uma solução ou pelo menos o retorno tanto ao trabalho quanto a mesa de negociações’’, disse Tim Evans, analista de energia da IFR Pegasus em Nova York. ‘‘Embora essa situação seja uma distração de alta (bullish) no curto prazo, o mercado permanece contido pelo aumento dos estoques de petróleo e da produção da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo)’’, acrescentou.
A organização patronal do setor petroleiro norueguês decretou ontem o fechamento de todas as plataformas do país, o que causará uma paralisação quase total da produção petroleira da Noruega. O fechamento, a partir das 19h de Brasília da próxima segunda-feira, tem o objetivo de pôr fim ao movimento que afeta o setor petroleiro norueguês desde a última sexta-feira. Os empregados exigem melhores salários.‘‘A situação está num impasse e ainda não há perspectivas de uma solução negociada do conflito’’, disse Per Terje Vold, presidente da organização patronal Oljeindustriens Landsforening (OLF). ‘‘Isso implica que quase toda a produção norueguesa será suspensa ’’, enfatizou a OLF.



Fonte: Jornal do Commercio
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar