acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Cotação

Barril do WTI fica acima dos US$ 100

09/06/2011 | 10h07
A decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) de manter a produção surpreendeu os investidores e fez os preços internacionais da commodity dispararem no pregão de ontem. O valor do barril esteve pressionado nas últimas sessões pela expectativa de grande parte dos analistas de que o cartel ampliaria a produção.
 
 
O contrato do WTI com vencimento em julho teve alta de US$ 1,65, para fechar no valor mais alto em uma semana, de US$ 100,74. O ativo para agosto subiu US$ 1,60, fechando o dia a US$ 101,29. O barril do Brent para julho ganhou US$ 1,07 ontem e encerrou o dia a US$ 117,85; já o vencimento de agosto subiu US$ 1,13, cotado a US$ 117,47.
 

No tão esperado encontro em Viena, os países membros da Opep não conseguiram chegar a um acordo sobre elevar ou reduzir o teto do volume produzido e decidiram manter a quantidade de barris atual.
 

O ministro saudita do petróleo, Ali Al-Naimi, disse a jornalistas que a Arábia Saudita, maior produtor do cartel, o Kuwait, o Qatar e os Emirados Árabes Unidos fizeram uma proposta de 1,5 milhão de barris a mais por dia. Segundo ele, Líbia, Angola, Equador, Argélia, Irã e Venezuela se opuseram ao acréscimo.
 

A agência Associated Press (AP) reportou que, segundo as autoridades da Opep, o grupo deixou aberta a opção de um encontro nos próximos três meses em que se pode decidir por um aumento na produção.
 

O limite de produção dos países membros do cartel, que respondem por aproximadamente 40% da produção mundial, está em 24,845 milhões de barris por dia desde janeiro de 2009.
 

Sem perspectiva de um aumento na oferta, o mercado ainda recebeu a notícia de um aparente avanço na demanda. Os estoques de petróleo dos EUA, maior consumidor mundial da commodity, recuaram em 4,8 milhões de barris na semana passada, em uma pressão a mais pela alta da commodity.


Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar