acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Petróleo

BAE negocia compra de quatro estaleiros nos EUA

28/04/2010 | 09h21

A BAE Systems acelerou os planos de expansão de suas operações de reparos de navios nos Estados Unidos e negocia a compra da Atlantic Marine, empresa controla pelo grupo de private equity JF Lehman. Se confirmado, o negócio envolverá entre US$ 200 milhões e US$ 400 milhões e acrescentará às operações da BAE quatro estaleiros da Atlantic Marine localizados na costa do Golfo do México e na Costa Leste dos EUA.

 

A maior fornecedora militar da Europa é a principal reparadora de navios não-nucleares dos EUA, trabalhando na conversão e reparos para o governo e clientes comerciais. Ela não vinha fazendo segredo de seu interesse em ampliar suas operações.

 

O interesse da BAE na Atlantic Marine data de vários anos. Comenta-se no mercado que há dois anos ele esteve entre os potenciais compradores da companhia, quando a JF Lehman tentou, sem sucesso, vender o ativo.

 

Fontes do setor familiarizados com a situação disseram que, embora não haja um processo formal de venda a caminho, a BAE andou negociando com a JF Lehman, mas o preço não foi definido.

 

Mas um acordo ainda poderá ocorrer. A BAE tem cacife para aquisições. Ela encerrou 2009 com caixa líquido de 403 milhões de libras (US$ 615 milhões) e, embora tenha um plano de recompra de ações de 500 milhões de libras, seus negócios geram muito caixa.

 

Jim McAleese, consultor do setor de defesa, disse que a área de reparos de navios vem crescendo nos EUA, já que os volumes de operações vêm pressionando mais os navios e a marinha americana assumiu novos papéis, como a defesa com mísseis.

Ao mesmo tempo, a marinha deverá encolher de tamanho, dentro de um programa de compras mais moderado estabelecido pelo Pentágono - que está mais preocupado com gastos -, que vai se concentrar menos em navios novos e mais em projetos existentes.

 

Os projetos navais de grande escala, como os navios de guerra da próxima geração, foram cancelados em favor de projetos já existentes. Nos últimos anos, a BAE abocanhou uma grande parcela do trabalho de reparos de navios da marinha americana. Este ano ela já havia conseguido um contrato de até US$ 500 milhões para a modernização de 11 destróieres.

 

Alguns analistas acreditam que a BAE poderá em algum momento agregar a capacidade de construção naval nos EUA. Atualmente, a Northrop Grumman e a General Dynamics dominam o mercado e especula-se que a BAE estaria interessada em comprar estaleiros da Northrop.
 

 

Por  Sylvia Pfeifer e Jeremy Lemerin, Financial Times, de Londres e Nova York



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar