acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Rio Oil & Gas 2012

Bacias em novas fronteiras têm bom potencial para petróleo e gás, diz ANP

18/09/2012 | 12h39

 

A diretora-geral da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biuocombustíveis (ANP), Magda Chambriard, anunciou na segunda-feira (17) que estudos geológicos encomendados pela agência indicam bom potencial para a exploração de petróleo e gás em bacias de novas fronteiras. “Potencial para recursos convencionais e não-convencionais”, disse ela na abertura da feira Rio Oil & Gas, que acontece no Riocentro até quinta-feira (20).
“Ninguém poderia supor 10 ou 15 anos atrás que hoje estaríamos desenvolvendo um enorme potencial fruto das descobertas no pré-sal nem imaginar a importância do gás não-convencional no mundo”, disse ela.
Magda ressaltou que o país pode contar com o potencial da margem equatorial brasileira, com descobertas em águas profundas no Brasil e na Guiana, o potencial da margem leste em águas profundas e rasas, de onde vêm 90% da produção de petróleo no Brasil, e com imensas bacias sedimentares interiores com indícios de gás natural.
“Temos dados mais que suficientes para acreditar que o potencial petrolífero do Brasil vai muito além do pré-sal. Precisa ser explorado, mas explorado com muita segurança”.
Segundo Magda, dos 7,5 milhões de quilômetros quadrados de área sedimentar, apenas 5% se encontra concedida; os 95% restantes são pouco conhecidos e são classificados como áreas de novas fronteiras. Por isso, disse ela, a ANP vem investindo em estudos geológicos e geofísicos para aumentar o conhecimento, reduzir riscos e atrair investimentos públicos e privados para os leilões da ANP.
Para ela, as descobertas gigantes em águas profundas com investimentos no pré-sal são capazes de dobrar produções e reservas na próxima década, o que pode tornar o Brasil um exportador relevante de óleo bruto do porte de Angola e Noruega.
Ela ressaltou ainda que o Brasil é maior mercado consumidor América Latina, principalmente por usar para o transporte de bens o modal rodoviário.
“Um terço da demanda de energia é proveniente da necessidade de transporte, isso significa que o país é excelente mercado para combustíveis líquidos, diesel com biodiesel, gasolina e etanol”, disse, afirmando que o mercado de diesel no país deverá dobrar na próxima década, previsão que mantém também para o etanol.
Já o presidente do Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP), João Carlos de Lucca, disse na abertura do evento que a suspensão das rodadas de licitações em 2008 não é uma frustração no setor.
“Não se esperava paralisação tão longa. As companhias estão no limite do desenvolvimento da produção”, disse.

A diretora-geral da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biuocombustíveis (ANP), Magda Chambriard, anunciou na segunda-feira (17) que estudos geológicos encomendados pela agência indicam bom potencial para a exploração de petróleo e gás em bacias de novas fronteiras. “Potencial para recursos convencionais e não-convencionais”, disse ela na abertura da feira Rio Oil & Gas, que acontece no Riocentro até quinta-feira (20).


“Ninguém poderia supor 10 ou 15 anos atrás que hoje estaríamos desenvolvendo um enorme potencial fruto das descobertas no pré-sal nem imaginar a importância do gás não-convencional no mundo”, disse ela.


Magda ressaltou que o país pode contar com o potencial da margem equatorial brasileira, com descobertas em águas profundas no Brasil e na Guiana, o potencial da margem leste em águas profundas e rasas, de onde vêm 90% da produção de petróleo no Brasil, e com imensas bacias sedimentares interiores com indícios de gás natural.


“Temos dados mais que suficientes para acreditar que o potencial petrolífero do Brasil vai muito além do pré-sal. Precisa ser explorado, mas explorado com muita segurança”.


Segundo Magda, dos 7,5 milhões de quilômetros quadrados de área sedimentar, apenas 5% se encontra concedida; os 95% restantes são pouco conhecidos e são classificados como áreas de novas fronteiras. Por isso, disse ela, a ANP vem investindo em estudos geológicos e geofísicos para aumentar o conhecimento, reduzir riscos e atrair investimentos públicos e privados para os leilões da ANP.


Para ela, as descobertas gigantes em águas profundas com investimentos no pré-sal são capazes de dobrar produções e reservas na próxima década, o que pode tornar o Brasil um exportador relevante de óleo bruto do porte de Angola e Noruega.


Ela ressaltou ainda que o Brasil é maior mercado consumidor América Latina, principalmente por usar para o transporte de bens o modal rodoviário.


“Um terço da demanda de energia é proveniente da necessidade de transporte, isso significa que o país é excelente mercado para combustíveis líquidos, diesel com biodiesel, gasolina e etanol”, disse, afirmando que o mercado de diesel no país deverá dobrar na próxima década, previsão que mantém também para o etanol.


Já o presidente do Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP), João Carlos de Lucca, disse na abertura do evento que a suspensão das rodadas de licitações em 2008 não é uma frustração no setor.“Não se esperava paralisação tão longa. As companhias estão no limite do desenvolvimento da produção”, disse.



Fonte: G1
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar