acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Premium II

Avaliação termina em julho

17/07/2013 | 10h59

 

A Petrobras confirmou que deverá concluir, até o fim deste mês, a fase de avaliação econômica da refinaria Premium II, determinando se o projeto é, ou não, viável para os atuais planos da empresa. A presidente da estatal, Graça Foster, já afirmou que não iniciará os novos projetos de refino enquanto não tiverem provados sua "economicidade".
No Plano de Negócios 2012-2016 da Petrobras, a refinaria cearense, assim como a Premium I, no Maranhão, e a segunda fase do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) foram colocados na condição de projetos "em avaliação", e não tiveram seu status alterado no plano 2013-2017.
No documento em que afirma a avaliação dos projetos, a Petrobras declarava: "nenhuma nova refinaria será implantada até que tenhamos confiança de atingir menor Capex (investimento em bens de capital) e retorno adequado".
Reavaliação
Os projetos foram reavaliados, com estudos para "alinhamento dos custos às métricas internacionais e adequação das condições de financiabilidade da carteira de investimentos da Petrobras", como já informou a empresa. Segundo a assessoria de imprensa, "a previsão é que a fase de avaliação econômica do projeto revisado seja concluída até o fim de julho de 2013".
Os projetos em avaliação têm, segundo o Plano de Negócios 2013-2017, recursos reservados da ordem de US$ 29,6 bilhões. Do total, US$ 21,6 bilhões estão destinados para a área de Abastecimento, que é a que inclui os empreendimentos de refino.
Parceria
Um fator que poderá contribuir para o desentrave do projeto do Ceará, diante das restrições financeiras da Petrobras, é a confirmação de uma parceria da estatal com alguma empresa internacional, como vem sendo tentado. Uma resposta positiva a isso poderá vir em relação à sul-coreana GS Energy. A empresa tem uma carta de intenções assinada com a Petrobras para desenvolver um estudo conjunto para o projeto da refinaria Premium II. No momento, um estudo de viabilidade da parceria está sendo elaborado.
Negociações avançadas
A direção da GS, entretanto, já afirmou a representantes do Governo do Estado, em recente visita destes à Coreia do Sul, que as negociações com a Petrobras para a possível sociedade estariam avançadas e "indo muito bem", e que a empresa sul-coreana estaria otimista.
A Petrobras possui, no momento, por meio da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace), autorização de desmatamento da área administrativa de 40 hectares do empreendimento, autorização ambiental para a execução da cerca, em um território de 27,42 hectares e para desmatamento dessa área da cerca.
Para o cercamento, a estatal fecho contrato no último dia 9 de julho, estando a empresa contratada, a cearense Simmer Construções e Instalações, autorizada para o serviço desde a última segunda-feira.

A Petrobras confirmou que deverá concluir, até o fim deste mês, a fase de avaliação econômica da refinaria Premium II, determinando se o projeto é, ou não, viável para os atuais planos da empresa. A presidente da estatal, Graça Foster, já afirmou que não iniciará os novos projetos de refino enquanto não tiverem provados sua "economicidade".


No Plano de Negócios 2012-2016 da Petrobras, a refinaria cearense, assim como a Premium I, no Maranhão, e a segunda fase do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) foram colocados na condição de projetos "em avaliação", e não tiveram seu status alterado no plano 2013-2017.


No documento em que afirma a avaliação dos projetos, a Petrobras declarava: "nenhuma nova refinaria será implantada até que tenhamos confiança de atingir menor Capex (investimento em bens de capital) e retorno adequado".



Reavaliação


Os projetos foram reavaliados, com estudos para "alinhamento dos custos às métricas internacionais e adequação das condições de financiabilidade da carteira de investimentos da Petrobras", como já informou a empresa. Segundo a assessoria de imprensa, "a previsão é que a fase de avaliação econômica do projeto revisado seja concluída até o fim de julho de 2013".


Os projetos em avaliação têm, segundo o Plano de Negócios 2013-2017, recursos reservados da ordem de US$ 29,6 bilhões. Do total, US$ 21,6 bilhões estão destinados para a área de Abastecimento, que é a que inclui os empreendimentos de refino.



Parceria


Um fator que poderá contribuir para o desentrave do projeto do Ceará, diante das restrições financeiras da Petrobras, é a confirmação de uma parceria da estatal com alguma empresa internacional, como vem sendo tentado. Uma resposta positiva a isso poderá vir em relação à sul-coreana GS Energy. A empresa tem uma carta de intenções assinada com a Petrobras para desenvolver um estudo conjunto para o projeto da refinaria Premium II. No momento, um estudo de viabilidade da parceria está sendo elaborado.



Negociações avançadas


A direção da GS, entretanto, já afirmou a representantes do Governo do Estado, em recente visita destes à Coreia do Sul, que as negociações com a Petrobras para a possível sociedade estariam avançadas e "indo muito bem", e que a empresa sul-coreana estaria otimista.


A Petrobras possui, no momento, por meio da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace), autorização de desmatamento da área administrativa de 40 hectares do empreendimento, autorização ambiental para a execução da cerca, em um território de 27,42 hectares e para desmatamento dessa área da cerca.


Para o cercamento, a estatal fecho contrato no último dia 9 de julho, estando a empresa contratada, a cearense Simmer Construções e Instalações, autorizada para o serviço desde a última segunda-feira.

 



Fonte: Diário do Nordeste
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar