acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Internacional

Autoridades da Venezuela ainda tentam controlar fogo em refinaria

27/08/2012 | 12h30

 

Três dias depois da explosão na refinaria de Amuay, uma das três que formam o Centro de Refinamento de Paraguaná - o principal da Venezuela -, autoridades ainda tentam nesta segunda-feira (27) apagar o fogo no local. Pelo menos 39 pessoas morreram, mais de 80 ficaram feridas e 31 permanecem internadas. Segundo o governo venezuelano, o fogo foi isolado em dois tanques. Os esforços são para controlar as chamas e os riscos de novas explosões que ainda existem no local.
O ministro da Mineração e Petróleo da Venezuela, Rafael Ramirez, disse que a expectativa é apagar o fogo nas próximas horas. O gerente do Centro de Refino de Paranaguá, Jesús Luongo, acrescentou que o fogo foi controlado na área de armazenamento.
Para apagar as chamas, foram usados mais de 4 mil litros de água do mar por cerca de uma hora, segundo Luongo. De acordo com ele, a maior dificuldade é o vento, que espalha as chamas e limita a ação dos bombeiros.
Há menos de dois meses das eleições presidenciais, o presidente da Venezuela Hugo Chávez, que tenta a reeleição, pediu à população que não se deixe influenciar por tentativas de politização do incidente. O governo decretou três dias de luto oficial no país.
Além do Brasil, vários governos da região, como Bolívia, Peru e Equador, prestaram solidariedade ao país e à população. Os peritos investigam a suspeita que a explosão foi causada por um vazamento de gás propano. A razão do vazamento está sob investigação.

Três dias depois da explosão na refinaria de Amuay, uma das três que formam o Centro de Refinamento de Paraguaná - o principal da Venezuela -, autoridades ainda tentam nesta segunda-feira (27) apagar o fogo no local. Pelo menos 39 pessoas morreram, mais de 80 ficaram feridas e 31 permanecem internadas. Segundo o governo venezuelano, o fogo foi isolado em dois tanques. Os esforços são para controlar as chamas e os riscos de novas explosões que ainda existem no local.


O ministro da Mineração e Petróleo da Venezuela, Rafael Ramirez, disse que a expectativa é apagar o fogo nas próximas horas. O gerente do Centro de Refino de Paranaguá, Jesús Luongo, acrescentou que o fogo foi controlado na área de armazenamento.


Para apagar as chamas, foram usados mais de 4 mil litros de água do mar por cerca de uma hora, segundo Luongo. De acordo com ele, a maior dificuldade é o vento, que espalha as chamas e limita a ação dos bombeiros.


Há menos de dois meses das eleições presidenciais, o presidente da Venezuela Hugo Chávez, que tenta a reeleição, pediu à população que não se deixe influenciar por tentativas de politização do incidente. O governo decretou três dias de luto oficial no país.


Além do Brasil, vários governos da região, como Bolívia, Peru e Equador, prestaram solidariedade ao país e à população. Os peritos investigam a suspeita que a explosão foi causada por um vazamento de gás propano. A razão do vazamento está sob investigação.

 



Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar