acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
publicidade
Álcool

Auto-suficiência da Petrobras seria permanente

19/01/2006 | 00h00

Em vez de ter como meta a auto-suficiência de petróleo, a Petrobras deveria investir mais pesadamente em outras energias alternativas, sobretudo o álcool, avalia Marcello Guimarães Mello. "Nós temos um combustível alternativo de alta qualidade (álcool), capaz de dar auto-suficiência permanente ao Brasil", afirma. "O álcool nada mais é que um petróleo limpo, que também serve para produzir plástico, borracha, adubo nitrogenado, entre outros produtos", completa o geólogo e produtor rural.

Mello diz que não é contra a refinaria e os grandes projetos petroquímicos. "Mas é preciso enxergar que, alternativamente, existem outros caminhos. Para ele, o petróleo brasileiro duraria mais 100 anos caso a estatal optasse por não utilizar suas reservas imediatamente e adotasse a álcool como combustível prioritário. "Com essa estratégia, seriamos o país do petróleo, da petroquímica e da alcoolquímica".

Além de ser uma energia limpa, renovável, o álcool, na avaliação de Mello, é um grande gerador de empregos na área rural. De acordo com ele, a construção de refinaria de petróleo com capacidade para produzir 100 mil barris por dia consome investimentos da ordem de US$ 2 bilhões, resultando na criação de cerca de sete mil empregos diretos. "Com esse mesmo recurso é possível construir 100 mil microdestilarias no meio rural, o que significa a geração imediata de um milhão de empregos diretos, 500 mil na área agrícola e outros 500 mil em pequenas oficinas de serralheria", compara.

Ainda segundo Mello, o álcool também está largamente à frente dos outros combustíveis alternativos existentes hoje, que aos poucos começam a surgir no mercado. Sobre o biodiesel, feito a partir da mistura de óleos vegetais extraídos da soja, dendê, mamona, entre outras culturas, o geólogo considerou "um pouco exagerado" o investimento de R$ 1 bilhão, anunciado pelo governo Lula, direcionado para projetos ligados ao novo combustível. "Parte desse recurso poderia ser aplicado na construção de microdestilarias, que é um programa pronto, acabado, diferentemente dos projetos relacionados ao biodiesel, em que ainda existem dúvidas fundamentais, como qual é a matéria-prima ideal para a sua produção", diz e indaga: "O que fazer com os subprodutos da fábrica?"

Mello considera desnecessário para o País o investimento em carros elétricos, movidos a hidrogênio, que é produzido a partir da célula combustível. "Fui pesquisar a tecnologia e descobri que o melhor combustível para essa célula é o álcool. Então, por que eu vou pegar o álcool e retirar dele o hidrogênio através de um processo que requer alto investimento, se eu já tenho o álcool que coloco diretamente no carro e ele funciona maravilhosamente?"



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar