acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Petróleo

Área técnica do TCU não colocou obstáculos para leilão do pré-sal

17/09/2013 | 14h16
Área técnica do TCU não colocou obstáculos para leilão do pré-sal
Diretor da ANP, Hélder Queiroz. José Cruz/Agência Brasil Diretor da ANP, Hélder Queiroz. José Cruz/Agência Brasil

 

O diretor da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) Hélder Queiroz, disse nesta terça-feira (17) que a área técnica do Tribunal de Contas da União (TCU) não colocou obstáculo para a realização do primeiro leilão para a exploração do petróleo do pré-sal sob o contrato de partilha. Toda rodada de licitação tem acompanhamento do TCU, que avalia a regularidade técnica do edital. A decisão para o leilão do pré-sal, no entanto, ainda não foi divulgada.
“A área técnica [do TCU] já se manifestou favoravelmente. Consultamos a área técnica e os ministros do TCU que disseram que, sob o ponto de vista da área técnica, não haveria problema nenhum. O acórdão mesmo ainda não saiu, mas a instrução normativa deles não nos obrigava a esperar [a publicação do acórdão] para publicar nem o edital nem o contrato”, disse Queiroz.
Queiroz disse acreditar que o acórdão do TCU seja divulgado antes do leilão, marcado para o dia 21 de outubro. O primeiro leilão sob o contrato de partilha ofertará a área de Libra, na Bacia de Santos, que tem uma estimativa de 8 bilhões a 12 bilhões de barris de petróleo recuperáveis.
As empresas e consórcios têm até amanhã (18) para manifestar interesse e pagar sua taxa de participação no leilão, no valor de R$ 2 milhões. Será vencedora a empresa que reverter o maior percentual do petróleo excedente à União. O percentual mínimo previsto em lei é 41,56%.
O petróleo excedente é o equivalente ao lucro do petróleo, ou seja, já descontados os volumes de petróleo equivalentes aos custos e aos royalties. O consórcio ou empresa vencedora do leilão também terá que se associar à Petrobras, que será a operadora do campo petrolífero, com 30% de participação. A estatal brasileira poderá ainda participar do leilão como licitante, podendo assim aumentar sua participação.
A estatal recém-criada Pré-Sal Petróleo S.A. (PPSA) também participará do consórcio, como gestora dos contratos. O bônus de assinatura (isto é, o equivalente à compra do direito à exploração e produção da área petrolífera) foi definido em R$ 15 bilhões.
Queiroz também disse acreditar que o episódio de espionagem do governo norte-americano à Petrobras, com a possibilidade de roubo de dados referentes a Libra, não coloca em risco o leilão. “Ninguém sabe [o que foi espionado]. Não há nenhum dado materialmente concreto que nos faça repensar [o leilão]. E, do ponto de vista da ANP, nossos dados são públicos. Nós os vendemos para garantir a isonomia às empresas”, disse o diretor.

O diretor da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) Hélder Queiroz, disse nesta terça-feira (17) que a área técnica do Tribunal de Contas da União (TCU) não colocou obstáculo para a realização do primeiro leilão para a exploração do petróleo do pré-sal sob o contrato de partilha. Toda rodada de licitação tem acompanhamento do TCU, que avalia a regularidade técnica do edital. A decisão para o leilão do pré-sal, no entanto, ainda não foi divulgada.


“A área técnica [do TCU] já se manifestou favoravelmente. Consultamos a área técnica e os ministros do TCU que disseram que, sob o ponto de vista da área técnica, não haveria problema nenhum. O acórdão mesmo ainda não saiu, mas a instrução normativa deles não nos obrigava a esperar [a publicação do acórdão] para publicar nem o edital nem o contrato”, disse Queiroz.


Queiroz disse acreditar que o acórdão do TCU seja divulgado antes do leilão, marcado para o dia 21 de outubro. O primeiro leilão sob o contrato de partilha ofertará a área de Libra, na Bacia de Santos, que tem uma estimativa de 8 bilhões a 12 bilhões de barris de petróleo recuperáveis.


As empresas e consórcios têm até amanhã (18) para manifestar interesse e pagar sua taxa de participação no leilão, no valor de R$ 2 milhões. Será vencedora a empresa que reverter o maior percentual do petróleo excedente à União. O percentual mínimo previsto em lei é 41,56%.


O petróleo excedente é o equivalente ao lucro do petróleo, ou seja, já descontados os volumes de petróleo equivalentes aos custos e aos royalties. O consórcio ou empresa vencedora do leilão também terá que se associar à Petrobras, que será a operadora do campo petrolífero, com 30% de participação. A estatal brasileira poderá ainda participar do leilão como licitante, podendo assim aumentar sua participação.


A estatal recém-criada Pré-Sal Petróleo S.A. (PPSA) também participará do consórcio, como gestora dos contratos. O bônus de assinatura (isto é, o equivalente à compra do direito à exploração e produção da área petrolífera) foi definido em R$ 15 bilhões.


Queiroz também disse acreditar que o episódio de espionagem do governo norte-americano à Petrobras, com a possibilidade de roubo de dados referentes a Libra, não coloca em risco o leilão. “Ninguém sabe [o que foi espionado]. Não há nenhum dado materialmente concreto que nos faça repensar [o leilão]. E, do ponto de vista da ANP, nossos dados são públicos. Nós os vendemos para garantir a isonomia às empresas”, disse o diretor.



Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar