acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Conclusão

Aquisição da BG pela Shell recebe aprovação do CADE

27/07/2015 | 11h12
Aquisição da BG pela Shell recebe aprovação do CADE
Ilustração TN Petróleo Ilustração TN Petróleo

 

A Shell anunciou nesta sexta-feira (24) que sua combinação com a BG recebeu aprovação incondicional do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), satisfazendo a primeira das pré-condições para a conclusão do negócio. Outras pré-condições incluem liberações para fusão na Austrália, China e Europa.
 
O CEO global da Shell, Ben van Beurden, comentou sobre a liberação do CADE. “A combinação da BG no setor de exploração de águas profundas no Brasil ao portfólio da Shell é um dos principais fatores estratégicos para a combinação”, afirmou. O executivo declarou ainda que a aprovação do órgão regulatório brasileiro é um grande marco para o acordo e reflete não apenas a preparação minuciosa da Shell, mas também o profissionalismo e a eficiência das autoridades brasileiras.
 
Seguindo as observações feitas em junho, quando a fusão passou por seu primeiro obstáculo antitruste nos Estados Unidos, van Beurden confirmou mais uma vez que o processo de arquivamento está em andamento nas restantes jurisdições e pré-condicionais, e que a combinação recomendada continua no bom caminho para ser finalizada no início de 2016.

A Shell anunciou na sexta-feira (24) que sua fusão com a BG recebeu aprovação incondicional do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), satisfazendo a primeira das pré-condições para a conclusão do negócio. Outras pré-condições incluem liberações para a aquisição na Austrália, China e Europa.
 
O CEO global da Shell, Ben van Beurden, comentou sobre a liberação do CADE. “A combinação da BG no setor de exploração de águas profundas no Brasil ao portfólio da Shell é um dos principais fatores estratégicos para a joint venture”, afirmou. O executivo declarou ainda que a aprovação do órgão regulatório brasileiro é um grande marco para o acordo e reflete não apenas a preparação minuciosa da Shell, mas também o profissionalismo e a eficiência das autoridades brasileiras.
 
Seguindo as observações feitas em junho, quando a fusão passou por seu primeiro obstáculo antitruste nos Estados Unidos, van Beurden confirmou mais uma vez que o processo de arquivamento está em andamento nas restantes jurisdições e pré-condicionais, e que a combinação recomendada continua no bom caminho para ser finalizada no início de 2016.

 



Fonte: Redação/ Assessoria
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar