acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Gás natural

Apagões sul-americanos

31/05/2007 | 00h00

Argentina e Venezuela vivem um momento delicado. A primeira, em função do "apagão" energético que envolve o país. Devido às baixas temperaturas e ao conseqüente aumento da demanda de gás nos sistemas de calefação, houve a necessidade de suspender o fornecimento de gás para as indústrias que possuem contratos denominados "interrompíveis"- contratos com cláusulas que prevêem a interrupção do serviço em ocasiões de alta demanda. Além disso, houve também a necessidade de limitar o fornecimento de gás para as indústrias com contratos firmes, ou seja, aqueles que não podem ser interrompidos, mas correm o risco de sofrer restrições. A população da Argentina também sofre com a falta de luz elétrica.

Autoridades do setor energético argentino afirmam que há baixos estoques de combustível. A alta no consumo e a competitividade entre as indústrias do país fizeram com que a demanda por energia aumentasse. As limitações sofridas pela Argentina mostram a fragilidade de determinados setores considerados de primeira necessidade.

O mesmo problema ocorreu no ano passado. As limitações impostas pela crise econômica impedem que sejam feitos investimentos por parte do governo, e a iniciativa privada não se manifesta para fazê-lo. Não deve haver interesse econômico nesse sentido.

Já na Venezuela, o presidente Hugo Chávez estatiza mais canais de televisão. Grande parte da população o apóia e faz manifestações favoráveis. No entanto, estudantes de várias universidades da Venezuela protestaram contra o fim das atividades da emissora Radio Caracas Televisión (RCTV), que à meia-noite de domingo (27) encerrou transmissões. Alguns países também se manifestaram contra a atitude de Chávez. As emissoras de rádio que pertencem à Câmara Nacional de Rádio da Costa Rica (Canara) saíram do ar por um minuto, em protesto ao fim da concessão. O Conselho Nacional de Jornalistas do Panamá e o presidente do Partido Panamenho, Juan Carlos Varela, também condenaram a retirada. Há quem seja a favor e há quem seja contra. Chávez promete ainda cancelar a concessão de outras emissoras. Ele tem o poder para isso. Há que aguardar o que será feito. As decisões políticas e as necessidades econômicas regem o mundo.



Fonte: DCI
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar