acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Petróleo e Gás

ANP prevê cooperação bilateral na Universidade do Petróleo da China

06/04/2010 | 10h07


Em conferência proferida na Universidade de Petróleo da China, o diretor-geral da ANP, Haroldo Lima, apresentou o potencial da exploração e produção de petróleo e gás natural no Brasil como possibilidade nova e promissora para a ampliação da parceria estratégica Brasil-China. A conferência, cuja receptividade superou as expectativas, fez parte da programação da viagem oficial à China encerrada na última sexta-feira, dia 2 de abril.


Haroldo Lima frisou para professores e estudantes da Universidade e autoridades presentes que as possibilidades de cooperação Brasil-China no setor de petróleo e gás natural crescem diante das perspectivas surgidas com as descobertas no pré-sal em áreas de baixo risco exploratório e alto potencial.


Nessas áreas, de acordo com o diretor-geral da ANP, a taxa de sucesso da exploração situa-se entre 87 e 100%, dependendo de sua localização. Os indícios de volume recuperável são de cerca de 50 bilhões de barris e o óleo encontrado é leve e de boa qualidade, mas, os desafios do desenvolvimento e da produção exigem grandes investimentos e intercâmbio tecnológico, para os quais a China pode ser parceira estratégica do Brasil.


Haroldo Lima observou que, apesar de a parceria estratégica entre o Brasil e a China existir desde 1993, somente a partir do ano passado petróleo e gás começam a participar do extraordinário aumento dos negócios bilaterais ocorrido nos governos dos Presidentes Lula e Hu Jintao. Ele ressaltou que os negócios do setor ainda respondem por apenas 7,2% dos US$ 36 bilhões alcançados, em 2009, no comércio sino-brasileiro, que cresceu mais de 400% desde 2003.


O diretor-geral, ao explicar o papel da ANP na regulação, contratação e fiscalização das atividades do setor, informou que, para áreas do pré-sal não concedidas, o Congresso Nacional está debatendo a adoção do contrato de partilha da produção e que para as áreas de elevado risco exploratório e potencial variado estão mantidos os contratos de concessão.


Haroldo Lima também aproveitou a conferência para expor a bem sucedida experiência do Brasil na produção e uso de biocombustíveis, desde o uso comercial do etanol, que superou o consumo de gasolina em 2009, até a mistura de percentuais crescentes de biodiesel em todo o óleo diesel comercializado no país, hoje fixada em 5%.


Em reunião depois da conferência com os dirigentes da Universidade, Haroldo Lima, acompanhado de delegação da ANP, examinou possibilidades de incentivar os intercâmbios com instituições brasileiras de ensino e pesquisa, inclusive ao amparo do Programa de Recursos Humanos da ANP - PRH/ANP, para a formação de mão de obra especializada para a indústria do petróleo, gás e biocombustíveis.



Fonte: ANP
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar