acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Energia

Aneel adia em dois anos estudo de viabilidade de usinas no Amazonas

06/01/2014 | 11h53

 

Três despachos publicados nesta segunda-feira (6) no “Diário Oficial da União” pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) adiaram para o fim de 2015 a entrega de estudos de viabilidade para a construção de usinas hidrelétricas na bacia do rio Amazonas.
A Superintendência de Gestão e Estudos Hidroenergéticos da agência atendeu a demandas apresentadas em conjunto pelas empresas Eletrobras, Eletronorte, Copel, Camargo Corrêa, EDF, Cemig, GDF Suez, Endesa, Neoenergia e Consórcio Tabajós.
Por meio dos despachos, a Aneel adiou de 31 de dezembro de 2013 para 31 de dezembro de 2015 o prazo para a entrega dos estudos de viabilidade das usinas hidrelétricas de Cachoeira do Caí, Cachoeira dos Patos e Jamanxim. Os projetos se localizam no rio Jamanxim, no Estado do Pará, e fazem parte da bacia do rio Amazonas.
O primeiro empreendimento tem potência instalada estimada em 802 MW. Os dois outros têm capacidade estimada em 528 MW e 881 MW, respectivamente.

Três despachos publicados nesta segunda-feira (6) no “Diário Oficial da União” pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) adiaram para o fim de 2015 a entrega de estudos de viabilidade para a construção de usinas hidrelétricas na bacia do rio Amazonas.

A Superintendência de Gestão e Estudos Hidroenergéticos da agência atendeu a demandas apresentadas em conjunto pelas empresas Eletrobras, Eletronorte, Copel, Camargo Corrêa, EDF, Cemig, GDF Suez, Endesa, Neoenergia e Consórcio Tabajós.

Por meio dos despachos, a Aneel adiou de 31 de dezembro de 2013 para 31 de dezembro de 2015 o prazo para a entrega dos estudos de viabilidade das usinas hidrelétricas de Cachoeira do Caí, Cachoeira dos Patos e Jamanxim. Os projetos se localizam no rio Jamanxim, no Estado do Pará, e fazem parte da bacia do rio Amazonas.

O primeiro empreendimento tem potência instalada estimada em 802 MW. Os dois outros têm capacidade estimada em 528 MW e 881 MW, respectivamente.

 



Fonte: Valor Online
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar