acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
CNI

Alta do petróleo deve render acordo entre Brasil e EUA

14/03/2011 | 16h09
A crise no Oriente Médio poderá dar impulso aos entendimentos entre Brasil e Estados Unidos na área de energia. "A tendência de alta do petróleo cria oportunidade para maior discussão sobre energias renováveis", avalia o diretor executivo da Confederação Nacional da Indústria (CNI), José Augusto Fernandes. Pela mesma razão, deverá crescer o interesse dos americanos na exploração do pré sal.


Energia é o tema de um dos painéis da reunião que será promovida pela CNI e pela Câmara de Comércio dos EUA no próximo sábado, durante visita do presidente dos EUA, Barack Obama, a Brasília. Também serão discutidas oportunidades de parceria na área de infraestrutura, principalmente na Copa do Mundo e na Olimpíada. Obama deverá fazer o discurso de encerramento dessa reunião, da qual deverão participar cerca de 500 pessoas.


Paralelamente, será realizado o Fórum de CEOs dos dois países. Esse, porém, é um encontro mais restrito, do qual participarão uma dezena de empresários de cada lado, além de representantes dos governos.


Etanol


No campo das energias renováveis, a aliança entre Brasil e EUA em torno do etanol sofreu recentemente um revés. Havia expectativa, do lado brasileiro, que na virada do ano fosse eliminada a sobretaxa de US$ 0,54 por galão cobrada sobre o etanol que ingressa naquele país. A legislação previa que ela seria cobrada até o dia 31 de dezembro de 2010. No entanto, o Congresso americano renovou a penalidade aplicada sobre o produto importado.


Fernandes acredita que, com a crise no Oriente Médio, a discussão ganhará novo fôlego. "Há oportunidade tanto na eliminação de tarifas quanto no aumento da participação do etanol em misturas", avalia.


Diante dos conflitos naquela região, o pré-sal também ganha nova importância estratégica, acredita. "O Brasil passará a ser um dos maiores produtores do mundo e está numa região segura", diz. Nesse campo, os negócios entre os dois países vão de vento em popa, a ponto de já haver voo direto entre o Rio de Janeiro e a cidade de Houston, onde estão sediadas grandes empresas petrolíferas americanas.


Fernandes observou que a Petrobras trabalha em rede, ou seja, utiliza um conjunto de empresas associadas para explorar petróleo. Ele acredita que os EUA terão interesse em manter contratos de longo prazo com a estatal brasileira.


O segundo painel da reunião tratará das oportunidades de investimento em infraestrutura, tendo em vista a realização da Copa e da Olimpíada. Fernandes observa que a GE e a IBM, por exemplo, já criaram centros de pesquisa e desenvolvimento no Brasil, ambos no Rio de Janeiro. O objetivo é atuar na exploração de petróleo e gás, mineração e na gestão de grandes eventos.


Bitributação


Empresários dos dois países deverão discutir ainda um tema que está há mais de uma década na agenda: a necessidade de um acordo para evitar a bitributação de empresas que atuem em ambos os países. Na avaliação de Fernandes, um desafio que se coloca a Obama e à presidente Dilma Rousseff é concordar com um método de discussão que leve à resolução do problema.


Empresários dos dois países também deverão discutir temas da agenda multilateral, como as negociações da Rodada Doha da Organização Mundial do Comércio (OMC) e as medidas para aumentar a segurança no mercado financeiro em discussão no G-20 (grupo que reúne as 20 maiores economias do mundo). "Até pela mudança do papel do Brasil no mundo, o diálogo assume importância maior", diz Fernandes.


Fonte: Redação/ Agências
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar