acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Petrobras

Alongamento da dívida com bancos europeus e americanos

11/08/2017 | 09h20

No desempenho do segundo trimestre em comparação com 2016, o lucro operacional da Petrobras apresentou crescimento de 5%, atingindo R$ 14,9 milhões. Entre os fatores apontados pela empresa para o resultado deste período está a reversão de provisão para perdas com processos judiciais constituída em períodos anteriores, decorrente da adesão ao Programa de Regularização Tributária (PRT).

A companhia alcançou lucro líquido de R$ 4,8 bilhões no primeiro semestre de 2017 e reverteu o prejuízo registrado no mesmo período do ano anterior de R$ 876 milhões. No segundo trimestre deste ano, o resultado de R$ 316 milhões ficou um pouco abaixo do mesmo período do ano anterior, quando atingiu R$ 370 milhões entre abril e junho, mas 93% menor com relação aos primeiros três meses do ano. O presidente disse, que, mesmo assim, é relevante porque representa dois trimestres consecutivos com lucro líquido positivo, o que não ocorria na companhia há muito tempo.

“Mostra avanços em várias áreas, em uma situação de mercado, em que você tem um preço de petróleo mais baixo e também tem um consumo mais baixo, ainda assim, tivemos um lucro operacional superior e, portanto, extremamente positivo. Estou falando no lucro operacional tanto no semestre quanto no trimestre”, disse Pedro Parente presidente da estatal.

Outro ponto que o executivo chamou atenção foi o fluxo de caixa livre da empresa, que pelo nono trimestre consecutivo ficou positivo. Enquanto no primeiro semestre de 2017, com a maior geração operacional e a redução de investimentos, a Petrobras registrou fluxo de caixa livre de R$ 22,7 bilhões, sendo que no segundo trimestre ficou em R$ 9,4 bilhões. “Estamos mantendo a nossa sequência de fluxos de caixa livre positivos pelo nono trimestre consecutivo”, disse.

Endividamento

Ainda no período, houve redução de 6% da dívida líquida em reais e de 7% em dólares na comparação com 31 de dezembro do ano passado. O diretor executivo da Área Financeira e de Relacionamento com Investidores, Ivan Monteiro, disse que atualmente a empresa tem várias opções de negociação no mercado para o alongamento da dívida, tanto com bancos europeus como americanos, japoneses e brasileiros, e a perspectiva continua.

“Vamos anunciar nas próximas semanas outras operações. Devemos reduzir ainda mais o volume de vencimentos em 2018, 2019 e 2020 com os próximos anúncios. Hoje a gente tem um vencimento estimado para 2018 de US$ 9,3 bilhões, a gente está trabalhando para que tenha ainda uma redução ao redor entre US$ 1,5 bilhão e US$ 2 bilhões”, disse.



Fonte: Redação/Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar