acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
AIE

Agência revisa previsão de demanda este ano

14/07/2004 | 00h00

A Agência Internacional da Energia (AIE) revisou em alta nesta terça-feira (13/07) sua previsão de demanda mundial de petróleo para 2004, ao estimar que o consumo será de 81,41 milhões de barris diários, 330 mil mais que o calculado há um mês. Com esses novos dados, incluídos no relatório mensal de julho, a demanda de petróleo crescerá este ano 3,2% em relação à de 2003, explicou a AIE em comunicado. A correção se deve a um consumo maior que o esperado nos países da antiga União Soviética.
No total, o aumento relativo do consumo será neste ano de 14,5% na China, 5,4% no restante da Ásia, 6% no Oriente Médio, 3,6% na antiga União Soviética, 3% na América Latina, 2,2% na América do Norte e 1,5% na Europa.
As reservas dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) aumentaram em 33 milhões de barris em maio, representando um total de 2,506 bilhões de barris, 12 milhões a mais que em igual período do ano passado. Para 2005, a agência calcula que o consumo mundial de petróleo será de uma média de 83,23 milhões de barris diários, o que significaria um aumento de 2,2%.
Tal aumento se explica principalmente pelo crescimento do consumo da China em 510 mil barris diários (8,1%) e do Oriente Médio em 260 mil (4,7%), enquanto a alta dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) se limitaria a 1%. Quanto à oferta de petróleo, a AIE estima que os países que não fazem parte da Opep contribuirão com 1,6 milhão de barris suplementares em 2005 a um aumento de 1,8 milhão.
A Rússia terá o maior aumento, com 400 mil barris, seguido por Angola, com 250 mil barris, e pelo Brasil, com 215 mil. Os especialistas da organização que reúne os principais países consumidores reconhecem que existem incertezas quanto à possibilidade de Iraque, Nigéria, Rússia e Venezuela aumentarem suas capacidades reais.



Fonte: Jornal do Commercio
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar