acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Preços do Petróleo

Agência Internacional de Energia vê excesso de petróleo em 2017 se não houver cortes na Opep

11/11/2016 | 10h47

O excedente no mercado de petróleo pode entrar em seu terceiro ano em 2017 se não houver um corte de produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), enquanto a crescente produção de exportadores ao redor do globo poderia levar a um crescimento implacável de oferta, disse a Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês) nesta quinta-feira. 

Em seu relatório mensal do mercado de petróleo, o grupo disse que a oferta global subiu em 800 mil barris por dia (bpd) em outubro para 97,8 milhões de bpd, liderados pela produção recorde da Opep e pelo crescimento na produção de países de fora da Opep como a Rússia, Brasil, Canadá e Cazaquistão. 

A IEA, localizada em Paris, manteve sua previsão de crescimento da demanda de 2016 em 1,2 milhão de bpd e espera que o consumo aumente no mesmo ritmo no próximo ano, tendo gradualmente desacelerado de um pico de cinco anos de 1,8 milhão de bpd em 2015. 

A Opep se reunirá no fim de novembro para discutir uma proposta de corte na produção para uma faixa de 32,5 milhões a 33 milhões de bpd, mas uma discórdia entre membros sobre isenções e níveis de produção criou dúvidas sobre a habilidade do cartel de entregar uma redução significativa. 

"Qualquer que seja o resultado, a reunião em Viena terá um grande impacto no eventual --e muito adiado-- reequilíbrio do mercado de petróleo", disse o IEA. 

"Se não for alcançado um acordo e alguns membros individuais continuarem a expandir sua produção, então o mercado vai continuar com excedente ao longo do ano, com pouca perspectiva de preços do petróleo subindo significativamente. De fato, se o excedente de oferta persistir em 2017, pode haver algum risco dos preços caírem de novo."

 



Fonte: Reuters, 11/11/2016
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar