acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Empresas

Ações da HRT desabam com temores sobre perspectivas na Namíbia

10/09/2012 | 11h50

 

As ações da petroleira HRT desabavam na Bovespa nesta segunda-feira (10), com temores sobre perspectivas de exploração na Namíbia, depois que testes mostraram que um poço vizinho à área da empresa na região não tem petróleo ou gás.
A Chariot Oil & Gas anunciou nesta segunda que abandonou o poço Kabeljou, no prospecto de Nimrod, após testes mostrarem que não havia petróleo comercialmente viável ou gás.
Às 11h09, as ações da Chariot derretiam 65,90% na Bolsa de Londres. Já as ações da HRT perdiam 12,2% na bolsa paulista, a R$ 3,93. O papel não faz parte do Ibovespa, que subia 1,32%.
Após a notícia, analistas do Credit Suisse reduziram a recomendação para as ações da HRT de "outperform" (desempenho acima da média) para "neutro", cortando o preço-alvo para o papel para R$ 3 por ação, ante previsão anterior de R$ 8,50 por ação.
"Nós agora preferimos esperar para a companhia provar sua tese geológica tanto em Solimões quanto na Namíbia antes de assumir exposição às ações", afirmaram os analistas Emerson Leite e Andre Sobreira, em relatório.

As ações da petroleira HRT desabavam na Bovespa nesta segunda-feira (10), com temores sobre perspectivas de exploração na Namíbia, depois que testes mostraram que um poço vizinho à área da empresa na região não tem petróleo ou gás.


A Chariot Oil & Gas anunciou nesta segunda que abandonou o poço Kabeljou, no prospecto de Nimrod, após testes mostrarem que não havia petróleo comercialmente viável ou gás.


Às 11h09, as ações da Chariot derretiam 65,90% na Bolsa de Londres. Já as ações da HRT perdiam 12,2% na bolsa paulista, a R$ 3,93. O papel não faz parte do Ibovespa, que subia 1,32%.


Após a notícia, analistas do Credit Suisse reduziram a recomendação para as ações da HRT de "outperform" (desempenho acima da média) para "neutro", cortando o preço-alvo para o papel para R$ 3 por ação, ante previsão anterior de R$ 8,50 por ação.


"Nós agora preferimos esperar para a companhia provar sua tese geológica tanto em Solimões quanto na Namíbia antes de assumir exposição às ações", afirmaram os analistas Emerson Leite e Andre Sobreira, em relatório.



Fonte: Agência Reuters
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar