acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Etanol

Acertada venda de álcool anidro para a Nigéria

26/01/2007 | 00h00

A Petrobras acertou na quinta-feira o início de exportação de álcool anidro para a Nigéria: a primeira carga, com 20 milhões de litros, vendida à estatal Nigerian National Petroleum Corporation (NNPC), será embarcada em fevereiro, no Terminal da Ilha D`Água, no Rio de Janeiro.

O volume exportado será utilizado para a implementação do programa de adição do álcool à gasolina naquele País. Além de vender o produto, a Petrobras dará suporte técnico para que seja adicionado 10% de etanol à gasolina, conforme prevê o programa nigeriano.

A estatal brasileira e a NNPC haviam firmado, em agosto de 2005, um memorando de entendimento a respeito da parceria, e desde então, vinham negociando as condições da atuação conjunta, assim como as vendas.

Em nota, a Petrobras disse que "reafirma sua expectativa na continuidade das negociações com a NNPC para o fornecimento de próximas cargas para aquele mercado, ratificando, assim, o importante papel do Brasil no mercado mundial de combustíveis alternativos, bem como o seu papel de indutora da indústria brasileira, exportando produtos e serviços para novos mercados".

A Petrobras já exporta álcool para a Venezuela desde 2005, e negocia ainda com Estados Unidos e Japão a venda de etanol. Para o país asiático, a estatal firmou parceria com a Japan Alcohol Trading e criou a empresa Brazil-Japan Ethanol, que nasceu com a missão de promover o uso do etanol entre os japoneses.

A expectativa é que as primeiras vendas para o mercado japonês aconteçam a partir de 2009. O presidente da companhia, José Sergio Gabrielli, afirmou em 2006 que a colocação de combustíveis renováveis em mercados externos está dentro da estratégia da Petrobras.

Recentemente, a Petrobras informou que estuda a entrada na produção de álcool. Rumores do mercado dão conta de que a estatal já teria, inclusive, feito contatos com usineiros paulistas, negociando participação em alguns projetos.

Essa informação não foi confirmada pelo diretor de Abastecimento e Refino, Paulo Roberto Costa, que limitou-se a dizer que a empresa realmente avalia participar da produção do biocombustível.



Fonte: Jornal do Commercio
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar