acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Meio ambiente

Ação climática não limita o desenvolvimento – pelo contrário, ela o fortalece, segundo documento gerado em Marrakech

18/11/2016 | 15h54

O Fórum de Países Vulneráveis ao Clima - Climate Vulnerable Forum (CVF) concordou hoje, durante sua Reunião de Alto Nível na Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas, realizada em Marrakech, que a ação climática não limita o desenvolvimento – pelo contrário, ela o fortalece. Os ministros e chefes de Delegação do CVF adotaram o Comunicado de Marrakech e a Visão de Marrakech. O Comunicado apela por uma maior ambição climática, enfatizando que qualquer país com um NDC ainda não conforme com a sua parte justa e consistente com o objetivo de longo prazo do Acordo de Paris tem de atualizar as contribuições até 2020, o mais tardar. Também pediu o cumprimento de compromissos, o investimento em financiamento climático e a necessidade de transformar o mercado. 

A Visão adoptada reconhece as medidas que o Fórum tomará para manter os perigos das alterações climáticas dentro do mínimo absoluto e para maximizar as vantagens obtidas dos benefícios da ação climática, incluindo o esforço para atingir 100% de energia renovável o mais tardar entre 2030 e 2050, reforçando o comprometimento dos mais de 40 integrantes do grupo de tomar medidas para limitar o aquecimento global a 1,5 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais. 

O ex-presidente do Climate Vulnerable Forum, Dr. Gemedo Dalle, do Ministério do Meio Ambiente, Floresta e Mudança Climática da Etiópia, convidou todos os membros do CVF a buscarem uma ação climática doméstica robusta e incentivou outros países a cumprir os objetivos que o Fórum adotou. O ministro Dalle acrescentou: "Sem uma ação climática mais forte, poderemos não sobreviver, e isso não é uma opção". 

Mattlan Zackhras, ministro em Assistência ao Presidente das Ilhas Marshall disse que este é um momento crucial na liderança e transformação do clima que pode garantir um futuro mais seguro para as comunidades vulneráveis. O ministro Zackhras acrescentou: "Estamos sendo pioneiros na transformação para 100% de energia renovável, mas queremos que outros países sigam nossos passos para evadir os impactos catastróficos que estamos sofrendo por causa de furacões, inundações e secas". 

Evelyn Cruzada, executiva do secretário de Gabinete das Filipinas disse que as ações climáticas gerarão a renda necessária para financiar os planos de adaptação. A secretária Cruzada acrescentou: "A ação climática não é opcional e nem a obrigação dos países desenvolvidos de apoiar um desenvolvimento resiliente ao clima. A adaptação é fundamental para a capacidade de países vulneráveis, como as Filipinas, também prosperarem. " 

Edgar Gutierrez, Ministro do Meio Ambiente e Energia da Costa Rica disse que alcançar o objetivo de manter o aquecimento do planeta em 1,5 C requer um sentido imediato de urgência de todas as partes. O secretário Gutierrez acrescentou: "Nós não sabemos o que os países ainda estão esperando para avançar para a neutralidade líquida do carbono e 100% de energia renovável, todas as partes devem iniciar a transição, caso contrário todos nós vamos sofrer. 

Saleemul Huq, iretor do Centro de Mudança Climática e Desenvolvimento de Bangladesh e Presidente do Grupo Consultivo de Especialistas do CVF disse que a liderança sem precedentes do CVF nesta declaração desafia outros países a agir. Huq acrescentou: "Estou emocionado por estar vivendo esse momento histórico, os países do CVF abriram o caminho para um mundo muito mais seguro, saudável e próspero". 

Comentando os próximos passos, Kare Chawicha, ministro de Estado do Meio Ambiente, Floresta e Mudança Climática da Etiópia, disse que a mitigação dos impactos da mudança climática requer esforços concertados e engajamento de todo o espectro da sociedade, do governo aos cidadãos. O ministro de Estado Chawicha adicionou: "Nós prometemos informar e educar todos sobre riscos do clima e o impacto de adotar açoes, das contribuições do governo às menores iniciativas dos indivíduos." 

Documentos

Visão de Marraquexe: www.thecvf.org/marrakech-vision

Comunicado de Marrakech: www.thecvf.org/marrakech-communique 

Notas para editores

Fundado em 2009, o Climate Vulnerable Forum é uma parceria internacional de mais de 40 nações da África, Ásia, Caribe, América Latina e Pacífico que trabalha para combater as mudanças climáticas globais através da colaboração em objetivos comuns, comunicação e compartilhamento de experiência e conhecimento.



Fonte: Redação/Assessoria
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar