acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Artigo

A importância da gestão de energia elétrica para pequenas e médias empresas

22/07/2013 | 15h39

 

A importância da gestão de energia elétrica para pequenas e médias empresas
Tema tão discutido ao longo dos últimos anos, o consumo de energia elétrica não é uma questão que deva ser analisada apenas por governos e consumidores residenciais. Fazer com que os gastos diminuam também precisa ser meta presente no universo das empresas, que, em muitos casos, ainda não se atentaram a isso e continuam a desperdiçar tempo e dinheiro com uma má gestão desse recurso.
 
Muitas das grandes companhias possuem um setor específico destinado à questão e, por conta disso, conseguem administrar melhor o seu portfólio de compra de energia elétrica, adequando-o à sua real necessidade de consumo. Porém, o mesmo não ocorre com as pequenas e médias empresas, que comumente ficam à deriva, sem saber o momento e o preço mais adequados para adquirirem energia. Mas como não comprometer o crescimento dos negócios, sofrer menos com os impactos de medidas governamentais, e evitar cair na conversa de previsões e leituras equivocadas?
 
Para evitar riscos que possam comprometer os resultados almejados, toda e qualquer empresa deve possuir um planejamento de gestão de energia, do mesmo modo que faz com gestão financeira, de investimento, de RH, de TI entre outros recursos fundamentais para a existência do negócio. Para isso, é fundamental que o empresário saiba qual seu atual cenário de consumo e contratação de energia, por meio de uma análise detalhada que deixe claro os erros identificados e as oportunidades de melhoria, para que então busque entender quais são as mudanças viáveis que podem ser postas em prática.  
 
Outro fator fundamental, e ainda uma dificuldade para muitas companhias, é a contratação de energia elétrica para atender a sua previsão de consumo. Em outras palavras, a análise minuciosa do cenário energético e o acompanhamento sistemático dos preços futuros de energia elétrica são fundamentais para que as melhores oportunidades sejam aproveitadas no momento certo e os custos sejam reduzidos. Uma empresa, por exemplo, que tem um gasto mensal de aproximadamente R$ 100 mil, com um planejamento correto e uma gestão de energia eficiente pode chegar a economizar algo em torno de R$ 20 mil mensais, dependendo da sua localização e condições de contratação atuais.
 
Claro que adotar uma gestão de energia não é algo simples, que se faça do dia para a noite. O fato é que a maioria das empresas ainda não possui colaboradores especializados no assunto, e muitas vezes, manter um departamento com profissionais para tratar diretamente desse item seja inviável ao negócio. A boa notícia é que o mercado conta com profissionais dedicados especificamente a esse tipo de gestão e análise. Portanto, fica por conta do gestor do negócio fazer a escolha desse prestador de serviço com base na experiência de mercado, reputação e resultados atingidos.
 
Afinal, gestão energética já faz parte da realidade das grandes empresas. Agora, é preciso constar na agenda dos pequenos e médios empreendedores, como fator a ser gerenciado para evitar os prejuízos, maximizar os resultados e colaborar com o sucesso do negócio.
 
Mikio Kawai Jr. é economista pela FEA-USP (1995), mestre em economia pela Unicamp (1999 - dissertação sobre gestão de riscos) e Advanced Executive Management pela IESE Business School (Espanha 2011). Iniciou a carreira no mercado financeiro em bancos de investimentos, tanto nacional como estrangeiro, migrou para o mercado de energia na sua genese, em 1998, tendo trabalhado na CPFL Energia ate 2004, atuou como gerente de suprimento de energia na AES Brasil, gerente de operações na Openlink (Nova York e SP). Desde 2008 ocupa o cargo de diretor executivo do Grupo Safira, companhia que atua na comercialização de energia, além de consultoria e prestação de serviços em representação de entidades no âmbito da CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica).

Tema tão discutido ao longo dos últimos anos, o consumo de energia elétrica não é uma questão que deva ser analisada apenas por governos e consumidores residenciais. Fazer com que os gastos diminuam também precisa ser meta presente no universo das empresas, que, em muitos casos, ainda não se atentaram a isso e continuam a desperdiçar tempo e dinheiro com uma má gestão desse recurso.


 
Muitas das grandes companhias possuem um setor específico destinado à questão e, por conta disso, conseguem administrar melhor o seu portfólio de compra de energia elétrica, adequando-o à sua real necessidade de consumo. Porém, o mesmo não ocorre com as pequenas e médias empresas, que comumente ficam à deriva, sem saber o momento e o preço mais adequados para adquirirem energia. Mas como não comprometer o crescimento dos negócios, sofrer menos com os impactos de medidas governamentais, e evitar cair na conversa de previsões e leituras equivocadas?


 
Para evitar riscos que possam comprometer os resultados almejados, toda e qualquer empresa deve possuir um planejamento de gestão de energia, do mesmo modo que faz com gestão financeira, de investimento, de RH, de TI entre outros recursos fundamentais para a existência do negócio. Para isso, é fundamental que o empresário saiba qual seu atual cenário de consumo e contratação de energia, por meio de uma análise detalhada que deixe claro os erros identificados e as oportunidades de melhoria, para que então busque entender quais são as mudanças viáveis que podem ser postas em prática.  


 
Outro fator fundamental, e ainda uma dificuldade para muitas companhias, é a contratação de energia elétrica para atender a sua previsão de consumo. Em outras palavras, a análise minuciosa do cenário energético e o acompanhamento sistemático dos preços futuros de energia elétrica são fundamentais para que as melhores oportunidades sejam aproveitadas no momento certo e os custos sejam reduzidos. Uma empresa, por exemplo, que tem um gasto mensal de aproximadamente R$ 100 mil, com um planejamento correto e uma gestão de energia eficiente pode chegar a economizar algo em torno de R$ 20 mil mensais, dependendo da sua localização e condições de contratação atuais.


Claro que adotar uma gestão de energia não é algo simples, que se faça do dia para a noite. O fato é que a maioria das empresas ainda não possui colaboradores especializados no assunto, e muitas vezes, manter um departamento com profissionais para tratar diretamente desse item seja inviável ao negócio. A boa notícia é que o mercado conta com profissionais dedicados especificamente a esse tipo de gestão e análise. Portanto, fica por conta do gestor do negócio fazer a escolha desse prestador de serviço com base na experiência de mercado, reputação e resultados atingidos.


 
Afinal, gestão energética já faz parte da realidade das grandes empresas. Agora, é preciso constar na agenda dos pequenos e médios empreendedores, como fator a ser gerenciado para evitar os prejuízos, maximizar os resultados e colaborar com o sucesso do negócio.


 
* Mikio Kawai Jr. é economista pela FEA-USP (1995), mestre em economia pela Unicamp (1999 - dissertação sobre gestão de riscos) e Advanced Executive Management pela IESE Business School (Espanha 2011). Iniciou a carreira no mercado financeiro em bancos de investimentos, tanto nacional como estrangeiro, migrou para o mercado de energia na sua genese, em 1998, tendo trabalhado na CPFL Energia ate 2004, atuou como gerente de suprimento de energia na AES Brasil, gerente de operações na Openlink (Nova York e SP). Desde 2008 ocupa o cargo de diretor executivo do Grupo Safira, companhia que atua na comercialização de energia, além de consultoria e prestação de serviços em representação de entidades no âmbito da CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica).



Fonte: Revista TN Petróleo
Autor: Mikio Kawai Jr.
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar