acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
publicidade
sala de aula

GUIA DO ESTUDANTE

Um grande centro de aprendizagem para o mercado de Petróleo. É só clicar!
artigos por mês

O “exercício dos COs” para uma educação do futuro

Publicado em 4 de Julho de 2018 às 15:45 | Por: Lia Medeiros
O “exercício dos COs” para uma educação do futuro

*Norman de Paula Arruda Filho


Há alguns anos venho desenvolvendo uma teoria a qual denominei “Exercício dos COs”, que, resumidamente, consiste na incessante análise e busca do entendimento sobre como tudo atua de forma Conectada na sociedade atual. A partir do exercício da Colaboração, Cooperação, Compreensão, Correlação, entre tantos outros Conexões, é possível enxergar o poder da Coletividade na busca por resultados Compatíveis ao padrão de vida sustentável almejado na Agenda 2030 da ONU.


Em exercícios com meus alunos de mestrado, já chegamos a identificar 100 Combinações de palavras que servem como exemplo dessa Constância. É exatamente por isso que, em tempos de Cocriações e Coworking, o educador não pode jamais ser absolutista. Juntamente com a globalização e o fácil acesso à informação, a sala de aula tomou dimensões extraordinárias, e o Conhecimento passou a ser resultado da soma de cada indivíduo e da multiplicação dos saberes em um exercício de troca que põe em prática o Compartilhamento e a Co-construção.


Por isso, acompanhar o ritmo desse admirável mundo novo exige movimentação. Em primeiro ponto, é preciso olhar para si, entender seu papel Colaborativo e protagonista, refletir sobre o autoconhecimento para, a partir deste propósito, fortalecer as relações e a Coletividade.  Contar somente para o que está Consagrado nos livros já não é mais suficiente, o movimento que a escola precisa está fora da sala de aula.


A atuação externa da escola e seu poder de articulação com outros segmentos são soluções que Contribuem diretamente para a qualidade do corpo docente, aprimorando sua visão de mundo, por meio do desenvolvimento do intelecto e atualização de práticas. Da mesma forma, o movimento Contrário, de trazer diferentes atores da sociedade para dentro da escola, é igualmente positivo.

 

Abrir espaço para que as empresas apresentem seus desafios e resultados traz à tona a aplicabilidade daquilo que é discutido em sala. Ou seja, essa troca atua como uma via de mão dupla que Compartilha o mesmo destino: uma educação integrada com visão de futuro. A partir disso, é possível entender por que a gestão sustentável prevê não somente o mapeamento dos stakeholders, mas o entendimento claro de quem são essas pessoas/organizações que estão no círculo de atuação da instituição e qual o verdadeiro potencial dessas relações.


Atualmente, no âmbito profissional, associo as funções de Presidente de escola de negócios, Coordenador do Comitê de Sustentabilidade Empresarial da Associação Comercial do Paraná, Presidente do Instituto Mundo do Trabalho e membro do Comitê de Cidadania Empresarial. Isso somado à minha trajetória em empresas estatais da área de saneamento e energia são fatores que ampliam minha rede de contatos empresariais, e já geraram grandes possibilidades de parcerias e projetos que beneficiaram tanto a formação do corpo docente da instituição que presido, quanto proporcionaram oportunidades de aprendizado para meus alunos.

 

Em minha visão, uma escola de negócios pressupõe um bom relacionamento com o mercado de modo a Contribuir para a formação de líderes capacitados para lidar com os desafios empresariais. Assim, essa troca entre academia e empresa no ISAE é permanente e um de nossos diferenciais. Há menos de um ano, em um evento da ONU em Nova York, tive a oportunidade de discursar sobre a necessidade de se repensar, reinventar e recriar as escolas e seus métodos em prol da educação do futuro. Na ocasião defendi o quanto é preciso revermos nosso senso de propósito, de criatividade, de responsabilidade, de Coletividade e de oportunidade.


Ao atuar em parceria com os stakeholders, a organização deve ter como objetivo buscar instituições com potencial para aumentar o papel da escola, investindo em fatores como: sua capacidade de articulação e mobilização social; sua habilidade na realização de grandes eventos; sua dedicação para a produção de pesquisas que buscam melhores resultados para o mercado; e, principalmente, sua competência na geração de conhecimento para a sociedade.


A academia moderna precisa de professores que saibam navegar entre a teoria e práticas de mercado, mostrando novos referenciais e diferenciais. É por isso que discutir temas transversais como inovações pedagógicas, economia compartilhada e desenvolvimento urbano faz todo o sentido para a educação do futuro. Deixar que a escola alce voos para além das salas de aula é uma forma de Construir, Conectar, Contribuir para atuar em prol de uma educação multifacetada que enxerga além das questões básicas, sendo Corajosa o bastante para encontrar soluções frente aos desafios globais.

 

*Norman de Paula Arruda Filho é Presidente do ISAE – Escola de Negócios, conveniado à Fundação Getulio Vargas, professor do Mestrado em Governança e Sustentabilidade do ISAE/FGV, e Coordenador do Comitê de Sustentabilidade Empresarial da Associação Comercial do Paraná (ACP).